Blog da EZ Commerce

Promoções: o motor por trás da sua loja virtual

Post-blog-Promoções o motor por trás da sua loja virtual

Para garantir o sucesso do seu e-commerce, é preciso ir além da qualidade dos produtos e do atendimento. Por trás de boas peças de roupas, equipamentos resistentes com ótimo funcionamento e condições de pagamento que fidelizam a jornada de compra do consumidor, existe um motor que impulsiona as vendas: as promoções – e os descontos. Elas chamam a atenção do cliente, funcionam como atração para novos consumidores e aumentam as vendas do seu negócio.

A aposta pode ser variada. Campanhas de frete grátis, cupons de desconto, kits de produtos, entre outras opções que compõem o leque de possibilidades que plataformas modernas e eficientes de e-commerce oferecem aos lojistas. Essas ações fortalecem a relação entre empresa e cliente e estimulam o interesse dos consumidores em realizar compras virtuais. São utilizadas pelas empresas como estratégias para gerar leads, engajamento, conversões e maiores lucros, além de serem uma forma diferente de interagir com o público e criar novos vínculos.

Potencializar vendas: uma plataforma completa


As ações precisam ser vantajosas tanto para o bolso da sua empresa quanto para o bolso do cliente. No momento do planejamento, é importante considerar as questões financeiras que envolvem os descontos. Monte um plano de negócio verificando, em primeiro lugar, as opções que a plataforma de e-commerce oferece para que a promoção seja realmente eficaz. E, em segundo lugar, a proposta deve estar de acordo com o objetivo e as condições da empresa.

A partir disso, nossa dica é: ofereça apenas aquilo que está dentro do seu orçamento, pois algo que poderia render bons frutos para o negócio pode acabar não dando certo, deixando prejuízos no caixa da empresa. Conheça as melhores formas de conquistar os mais variados perfis de clientes com promoções que não vão deixar você na mão. Para isso, invista em uma ferramenta que tem as melhores opções para o seu negócio e potencialize as suas vendas.

Hotsites: campanhas diferenciadas


A missão está em proporcionar uma boa experiência aos clientes. Por isso, organize campanhas diferenciadas aplicando todo o conhecimento sobre o seu negócio. A EZ auxilia você a operar neste sentido ao possibilitar a criação de hotsites. Basta juntar um pouco de criatividade e lançar promoções que chamam a atenção do consumidor. Com um visual bonito e agradável é possível evidenciar alguns elementos estimulando a compra, como o valor do desconto e o produto em banners que chegam ao cliente logo que ele abre o site da sua marca.

Campanha de frete grátis: fator decisivo de compra


Na maior parte das vezes, lojas diferentes que pertencem ao mesmo segmento colocam os preços dos produtos quase com o mesmo valor. Nestes casos, a competição entre as empresas fica bastante acirrada e os consumidores acabam comprando algumas vezes na sua loja, outras vezes em uma loja diferente (mas que oferece artigos parecidos) sem criar laços ou fidelizar-se à marca. Portanto, pense em outra estratégia de vendas que atraia o consumidor e desperte nele mais interesse em comprar na sua loja do no que na do vizinho, como oferecer o frete grátis. A EZ, por exemplo, oferece o recurso de campanha de frete por localidade. Assim, você pode ofertar o frete grátis para as regiões mais próximas do seu centro de distribuição e deixar o cliente ainda mais satisfeito com a compra.

Cupons de desconto: a paixão do consumidor


Uma das principais táticas promocionais é a distribuição de cupons. Eles são usados por empresas dos mais variados ramos e, se bem aplicados, aumentam consideravelmente a sua taxa de conversão. São oferecidos em situações específicas como períodos sazonais, datas comemorativas ou por nichos de acordo com o mercado. Servem tanto para captação de novos clientes como para aumentar o engajamento daqueles que já são amantes da sua marca. Portanto, mostre que você conhece mais sobre o mercado e os gostos dos clientes e faça ofertas estratégicas por meio dos cupons de desconto.

Descontos progressivos ou por quantidade: aumente o ticket médio


Quem não gosta de ganhar um desconto, certo? Com certeza, os clientes ao receberem uma proposta promocional sentem ainda mais vontade de comprar os produtos da sua loja. Pensando nisso, a EZ permite que a loja associe descontos que ficam cada vez melhores conforme o cliente compra mais de determinado produto, marca ou seção. A plataforma permite que você personalize descontos progressivos ou por quantidade, conforme as condições da sua empresa, propondo ofertas especiais para os clientes e aumentando o ticket médio da sua empresa. O cliente, nesse momento, além de ficar feliz com o desconto, pode ficar ainda mais contente por saber que a marca também conhece o seu gosto.

Kits de produtos: garanta maiores vendas


Uma das estratégias usadas pelas empresas que vendem cosméticos e acessórios femininos, por exemplo, é a oferta por kit. O recurso faz com que a empresa consiga vender maior número de produtos, eliminando aqueles que estavam parados no estoque, e otimiza a compra do cliente, que poderia levar apenas um produto da sua loja. Essa opção é bastante conhecida nas datas sazonais como o Natal, dia das mães ou dos pais.

Para facilitar a criação dos kits, a EZ conta com o recurso Compre Junto, onde é possível oferecer a compra de um kit com dois produtos a um preço melhor do que se fossem vendidos separadamente, aproveitando o efeito que o desconto tem para garantir uma venda maior.

Programa de Pontos: fidelize seus clientes


Transformar o cliente em um amigo da marca pode gerar bons frutos para a empresa, como melhores interações e, consequentemente, resultados mais positivos nas vendas. Existem diversas formas de chegar nessa conquista, e uma delas é por meio de promoções, recurso comum utilizado por várias marcas para atrair clientes. Porém, para que as ações sejam eficazes, a sua plataforma de e-commerce deve oferecer condições de conversão. Como o Programa de Pontos da EZ, que permite ao cliente acumular pontos a cada compra e trocar por um produto que deseja no futuro. A função atrai a atenção dos clientes e faz com que eles comprem cada vez mais em sua loja virtual.

Análise de resultados com relatórios completos


Para finalizar a boa experiência do cliente com as suas promoções e descontos, é importante para empresa saber o resultado de todas as apostas. Por isso, a EZ oferece aos gestores informações detalhadas sobre a loja virtual, com um mapeamento completo da quantidade de pedidos por período, acessos por período, cadastro dos clientes, entre outras vantagens que ajudam a acompanhar a eficiência das suas campanhas promocionais. Contate a EZ e conheça as melhores opções para potencializar o motor que existe por trás da sua loja! Acesse www.ezcommerce.com.br

CTA

Marketing para e-commerce: saiba como criar e acompanhar ações online

Post-blog-Marketing para e-commerce saiba como criar e acompanhar ações online

A cada dia que passa, o comércio eletrônico se torna uma rotina na vida dos brasileiros. E não é para menos! Com a ampliação do acesso à internet somada à possibilidade de poder comprar quase qualquer tipo de produto e serviço no conforto de casa, com apenas poucos cliques, sem pegar trânsitos caóticos nem filas homéricas, o setor de e-commerce no Brasil foi um dos que mais cresceu nos últimos anos.

Entretanto, apesar da logística das compras virtuais ser extremamente benéfica tanto para quem vende quanto para quem compra, quem deseja se destacar como um empreendedor da área precisa ficar bastante atento a algumas questões essenciais, como a criação de ações on-line de marketing, por exemplo.

Com o aumento da concorrência no setor, os empresários que não investem em estratégias certeiras de marketing para e-commerce podem acabar amargando péssimos resultados, sendo praticamente “atropelados” por concorrentes mais preparados no assunto.

Por isso, é importante que seu e-commerce possua uma presença sólida dentro do mercado virtual, por meio da criação de ações de marketing eficientes, bem planejadas e acompanhadas ao longo do tempo. Quer saber como? Então continue a leitura deste post, pois é exatamente sobre esse assunto que trataremos em detalhes! Vamos lá?

As especificidades do marketing para e-commerce


A primeira coisa que você, empreendedor do ramo de e-commerce, deve ter em mente ao criar ações de marketing para o seu negócio é que o marketing para e-commerce possui algumas especificidades, bastante distintas do “marketing tradicional” utilizado por lojas físicas, por exemplo.

Em primeiro lugar, as ações de divulgação da sua loja virtual devem ser direcionadas adequadamente ao seu público, que por sua vez, deve ter sido previamente mapeado e delineado. Entenda que, na internet, campanhas de divulgação muito amplas e inespecíficas, como são os anúncios de TV, por exemplo, não costumam gerar bons resultados.

Além disso, antes mesmo da estruturação da sua plataforma on-line de vendas, é necessário pensar em estratégias que deem visibilidade ao seu negócio, dentro de um ambiente tão amplo como o da internet, certo? E isso é conquistado por meio da otimização de processos de SEO (Searching Engineering Optimization), que auxiliam na melhora do ranqueamento da sua loja virtual em motores de busca como o Google.

Da mesma maneira, o marketing voltado ao comércio on-line tem que ser estruturado sempre pensando em gerar leads (potenciais clientes) e, principalmente, em fidelizar os clientes após sua primeira compra. Isso porque o custo de manter um cliente fiel é comprovadamente menor do que o necessário para atrair novos.

Como fazer isso? Proporcionando um ambiente virtual agradável e descomplicado, investindo em ações que visam diminuir o abandono de carrinhos, entregando valor real ao cliente por meio de estratégias de marketing de conteúdo e e-mail marketing e divulgando seus produtos e serviços no local certo, da maneira correta.

Se você ficou um pouco perdido com todas essas especificidades do marketing para e-commerce, não se preocupe: abordaremos, de maneira mais aprofundada, cada uma das questões citadas acima. Confira!

O momento certo de investir no marketing


Muitos empreendedores do ramo de e-commerce pensam que somente depois de investirem na estruturação e na criação de uma plataforma on-line — onde possam oferecer seus produtos — é que se deve partir para os investimentos em marketing e a divulgação do comércio. Entretanto, essa é uma estratégia comprovadamente errônea!

As estratégias de marketing digital devem ser criadas e planejadas juntamente com os planos de nascimento da loja, antes mesmo de o empreendimento estar em plena atividade. Isso porque determinadas estratégias devem ser colocadas em prática no momento da criação do site — como o SEO, por exemplo.

É por meio da busca de palavras-chave pelas quais você gostaria que a sua loja on-line fosse encontrada nos motores de busca que determinados setores ou departamentos do seu site vão ser nomeados. Caso isso não seja feito durante a criação do site e a instalação da plataforma, você já sairá perdendo e terá que reformular o site depois.

E mesmo que você pense que não possui capital suficiente para investir em ações e estratégias de marketing antes mesmo de colocar seu e-commerce no ar, saiba que muitas dessas ações custam pouco, como a criação de um blog e de perfis nas principais redes sociais, por exemplo.

Além disso, o recomendado é que o orçamento do seu projeto de e-commerce divida-se em 30% para a construção da plataforma e 70% para marketing. Sim, isso mesmo! Mais da metade do seu orçamento inicial deve ser destinado à divulgação da sua loja, fazendo com que ela chegue até o seu potencial cliente.

Por isso, caso você esteja planejando entrar para o mundo do e-commerce como empreendedor, tenha isso muito claro em mente: o marketing deve estar presente nos passos iniciais do negócio, ok?

A segmentação do público-alvo


Com a entrada de gigantes do varejo no mundo do comércio on-line, os pequenos e médios empreendedores do ramo estão tendo que criar estratégias cada dia mais refinadas, a fim de manter seus negócios competitivos e sustentáveis no longo prazo. Uma das técnicas mais certeiras quando se fala nesse assunto é a segmentação adequada do público-alvo.

Você, como empreendedor, certamente já ouviu falar ou mesmo já tem construída uma persona para o seu e-commerce, certo? O delineamento correto da persona pode auxiliar sobremaneira na hora de gerar leads e alavancar as vendas do seu negócio.

Entretanto, se o seu objetivo é realmente utilizar o marketing como ferramenta estratégica para a sua empresa, deve ir mais a fundo nesse quesito, segmentando o seu público-alvo. Obviamente, isso só será possível após um certo tempo de atividade, visto que a segmentação é realizada por meio da análise de dados dos seus clientes.

Informações refinadas, referentes a histórico de compras, média salarial, porcentagem de e-mails marketing convertidos, dentre outras, permitirão que você consiga separar seus clientes em grupos ainda mais específicos do que a persona.

Ao fazer essa segmentação, você poderá criar campanhas, ofertas e conteúdos exclusivos e direcionados a cada grupo. O resultado? Taxas de conversão e fidelização ainda maiores!

A definição dos espaços de divulgação


Já mencionamos aqui que o marketing para e-commerce tem suas especificidades, certo? E dentre uma das principais está a definição certeira dos espaços de divulgação da sua loja, do seu produto ou do seu serviço. A compra de espaços publicitários em sites com grande tráfego de pessoas pode ser muito efetiva na atração de leads. Porém, de nada adianta investir grandes quantidades de dinheiro nisso se o alcance será mínimo e o retorno financeiro menor ainda, certo?

Dentro desse contexto, é imprescindível que você fique atento a algumas questões bastante importantes na hora de definir seus espaços de divulgação. A mais importante é saber onde o seu cliente está. No mundo da internet, isso significa estar por dentro de quais portais, sites, blogs e redes sociais seu público-alvo acessa com mais frequência.

Se você possui um e-commerce de artigos esportivos, por exemplo, comprar um espaço de divulgação em um site especializado em culinária ou automóveis não será uma ação muito eficiente, concorda? Por mais que o número de acessos ao site seja altíssimo, a chance dos seus leads estarem por lá é pequena.

A necessidade de automatizar tarefas


Por menor que seja o seu e-commerce ou por mais específico que seja seu nicho de atuação, uma coisa é certa: em determinado momento, você sentirá a necessidade de automatizar tarefas, especialmente quando se trata de campanhas de marketing digital.

Você até pode começar suas ações de maneira manual, mas isso se torna absolutamente inviável com o passar do tempo e com o aumento do número de clientes. Por isso, o ideal é que você automatize determinados processos o quanto antes.

Além de facilitar muito a sua vida, a automação do marketing permite que você meça, de maneira precisa, os resultados de cada campanha, o que faz com que você tenha mais tempo livre para se dedicar a outras questões importantes para o sucesso do seu e-commerce — e que não podem ser realizadas de maneira automática.

Estamos na era da informação e da tecnologia, então utilize isso a seu favor! Softwares de gestão de e-mails marketing são um excelente exemplo de como automatizar tarefas pode ser incrivelmente proveitoso para o seu negócio. Mas existem muitas outras. Busque as que mais se adaptam ao seu e-commerce e ao seu nicho e invista! Acredite, você não vai se arrepender.

4 ferramentas essenciais para alcançar resultados


Até aqui já foi possível ter uma boa noção da importância de criar ações bem estruturadas de marketing para e-commerce, certo? Nesse momento, você pode estar se perguntando o que utilizar, na prática, para realmente alcançar resultados efetivos, não é mesmo?

Para lhe ajudar nessa tarefa, listamos abaixo um grupo de 4 ferramentas que já pode ser considerado um clássico quando o assunto é divulgar estrategicamente seus produtos on-line. Confira:

Marketing de Busca: são as estratégias voltadas para a otimização do seu e-commerce nas principais ferramentas de busca. Referem-se a SEO, links patrocinados e plataformas de comparação de preços, como o Buscapé.

Marketing de Relacionamento: são, na prática, os principais canais de comunicação dos clientes com o seu e-commerce. Perfis em mídias sociais, como o Facebook, o Twitter, o LinkedIn e o Instagram se encaixam nessa categoria, e é essencial que sua empresa esteja presente naquelas mais relevantes para o seu negócio.

Marketing de Display: refere-se à divulgação dos seus produtos por meio de banners em sites, blogs e portais bastante acessados pelo seu público-alvo.

Marketing de Conteúdo: essa ferramenta está pautada na oferta de conteúdo relevante e de qualidade aos seus clientes, por meio de um blog e do compartilhamento em redes sociais.

O cálculo do retorno sobre o investimento


Como empreendedor no setor de e-commerce, você provavelmente já ouviu falar em ROI, certo? Em caso negativo, explicamos: o ROI — da sigla em inglês Return On Investment — nada mais é do que o cálculo feito para saber o retorno que determinado investimento trouxe para o seu negócio.

No caso do marketing, muitos tipos de ações e campanhas podem ter seu ROI calculado de maneira bem simples e direta. Digamos, por exemplo, que você investiu R$ 250 na divulgação da sua loja por meio de anúncios pagos, como o Google Ads, e que essa ação gerou, ao final, R$ 1 mil em vendas.

Ao dividirmos o valor total faturado pelo investimento realizado, chega-se ao ROI daquela campanha de marketing específica. No caso acima citado, o ROI seria 4. Nesse momento você pode estar pensando, esse é um valor bom ou ruim?

A resposta é: depende. Quando se fala em ROI, não existe um número mágico. Obviamente, quanto mais alto ele for, melhor, pois significa, na prática, que seu investimento inicial foi superado em muitas vezes pelo faturamento. Ou seja, ele é um ótimo indicativo para que você determine se está no caminho certo ou se deve rever suas estratégias de marketing.

Também é importante salientar que, apesar de ser uma ferramenta bastante poderosa na hora de medir os resultados de determinada ação de marketing, em alguns tipos de campanhas o cálculo do ROI se torna mais difícil e impreciso. Especialmente em ações de longo prazo, que visam um aumento do engajamento e a fidelização de clientes, saber com precisão o ROI de determinado investimento pode se tornar uma tarefa árdua.

Por exemplo: caso você tenha investido em uma campanha de links patrocinados, gerando, com essa ação específica, um ROI de 5, como medir o retorno do cliente que chegou até a sua loja por meio desse link, mas que já comprou 3 outras vezes depois disso e ainda indicou sua empresa a outros 4 amigos, que também compraram? Nesse caso, o ROI pode ser o dobro ou até mesmo o triplo do que se pode calcular com absoluta certeza. Por isso, esteja sempre atento a essa questão!

A geração de leads para a loja virtual


Para aqueles que buscam criar estratégias de marketing para e-commerce efetivas e que realmente gerem o retorno esperado, é imprescindível ter o foco direcionado a um ponto essencial: a geração de leads.

Leads nada mais são do que potenciais clientes. Aquelas pessoas que estão verdadeiramente dispostas a comprar produtos da sua loja virtual. São os leads, após virarem clientes, que farão seu e-commerce ser um sucesso.

Por isso, atrair e gerar leads para o seu negócio é tão importante. E como é possível fazer isso de maneira correta, indo direto ao ponto e não desperdiçando recursos e tempo em estratégias que não dão certo?

A geração de leads passa por muitos processos, e cada um serve como um “degrau” para o próximo, conduzindo o aspirante a lead por um caminho que foi previamente desenhado por você — o chamado funil de vendas. O final do funil de vendas e, obviamente, seu principal objetivo, é a conversão.

Assim, cada passo da estratégia de geração de leads deve ser cuidadosamente planejado, pois o erro em uma das etapas pode impedir ou diminuir o acesso à próxima. Em função disso, é necessário delinear desde estratégias de marketing de busca e SEO (para que os potenciais leads consigam encontrar seu e-commerce facilmente na internet, em meio a tantas opções), até o oferecimento de conteúdo de qualidade, landing pages bem estruturadas, campanhas de e-mail marketing certeiras e divulgação em canais que realmente gerem leads à sua plataforma.

E se isso tudo lhe parece muito trabalhoso à primeira vista, saiba que apostar em estratégias de geração de leads é extremamente vantajoso para qualquer empreendedor do ramo de e-commerces. Ao abordar diretamente clientes realmente dispostos a comprar seus produtos, seus custos de venda diminuem de maneira significativa, já que a taxa de conversão tende a subir consideravelmente, chegando, em alguns casos, a incríveis 70%!

O aumento contínuo da visibilidade


Como já diria o velho ditado, “quem não é visto, não é lembrado”. Essa máxima não poderia ser mais verdadeira, especialmente quando se fala do universo da internet. Para que você tenha sucesso com o seu e-commerce, é necessário que as pessoas o vejam e saibam que ele existe, não é mesmo?

Em função disso, é essencial que você invista em um aumento contínuo da visibilidade da sua empresa na internet. E quando se trata desse assunto, existem inúmeras maneiras de alcançar os resultados esperados: de curto, médio e longo prazos, baratas, caras, específicas, abrangentes, entre muitas outras.

Uma das maneiras mais eficazes e rápidas de aumentar a visibilidade da sua marca é investir em anúncios pagos, como o Google Ads ou o Facebook Ads, por exemplo. Porém, apesar de gerar resultados comprovados em pouco tempo, o investimento nesse tipo de ação costuma ser alto e dura somente o tempo que o anúncio está no ar.

Por outro lado, outras estratégias para aumentar a visibilidade, além de mais baratas, geram resultados contínuos e exponenciais, apesar dos efeitos só serem comprovados no médio e no longo prazo. É o caso do marketing de conteúdo, em que sua empresa oferece informação e conteúdo de qualidade aos leads por meio de um blog ou de perfis em redes sociais, por exemplo.

A grande sacada aqui, quando se trata do aumento da visibilidade da sua loja, é tentar mesclar as estratégias de curto e longo prazo, sempre levando em consideração as estratégias de SEO em toda e qualquer ação.

Se o seu negócio está começando, pode ser interessante investir em campanhas de anúncios pagos, mas sem deixar de lado as estratégias de longo prazo — mais efetivas quando o objetivo é fidelizar clientes, que acabam se tornando propagadores da sua marca. Entregar valor ao cliente é tão importante quando se fala de e-commerce que falaremos mais detalhadamente sobre o assunto no próximo tópico.

A necessidade de entregar valor ao cliente


A chegada da era da informação e a democratização do acesso à internet no mundo todo vêm mudando drasticamente a maneira como as pessoas consomem produtos e serviços. Mais bem informados e cientes da grande quantidade de opções disponíveis, os consumidores se tornaram mais exigentes, tanto no que se refere ao produto em si quanto à idoneidade da empresa, à qualidade no atendimento e no que ela entrega de valor.

Por isso, é essencial que você utilize o marketing não apenas como uma maneira de divulgar seus produtos e serviços ou alardear aos quatro ventos o quanto sua empresa é incrível. Você tem que, necessariamente, entregar algo de valor ao seu cliente. Do contrário, ele não pensará duas vezes antes de buscar uma empresa que o faça.

Por outro lado, ao fazer com que seu cliente se sinta especial — entregando algo de valor além de seus produtos —, ele se tornará um defensor ferrenho da sua marca, compartilhando seus conteúdos e falando maravilhas da sua empresa aos seus conhecidos e amigos. Ou seja, entregar valor ao cliente é um exemplo típico de uma estratégia ganha-ganha: você deixa seu cliente satisfeito, ele compra mais e ainda divulga a sua marca de graça!

E o que significa, na prática, entregar valor? Alimentar um blog com conteúdos relevantes para o seu cliente, ofertar e-books exclusivos e ricos, construir um relacionamento sólido com seus consumidores e atendendo de maneira rápida e ágil tanto os pedidos quanto as reclamações ou queixas que eventualmente possam surgir são exemplos perfeitos de entrega de valor.

O marketing para e-commerce é uma estratégia que não pode, de maneira alguma, ficar de fora do seu planejamento caso seu objetivo seja se consolidar como uma autoridade dentro do seu nicho de atuação. Entretanto, como você pode perceber ao longo deste post, criar e acompanhar ações de marketing on-line não são tarefas que podem ser feitas sem um mínimo de cuidado e visão estratégica.

Ter em mente o que, como, quando e por que cada ação será criada e divulgada aos seus clientes é essencial. Por isso, não perca mais tempo! Utilize as informações contidas neste artigo como um guia para que você possa criar campanhas realmente efetivas, que gerem visibilidade e lucro ao seu negócio, e colha os frutos dessas ações muito antes do que você imagina!

E se você gostou deste conteúdo e acha que ele foi útil, que tal curtir a nossa página no Facebook? Assim, você ficará por dentro de todos os conteúdos publicados no nosso blog em primeira mão!

CTA

5 dicas para o consumidor garantir bons negócios na Black Friday

Post-blog-5 dicas para o consumidor garantir bons negócios na Black Friday

Por Gabriel Trindade*

A Black Friday – data mais esperada do varejo – está chegando! Muitos consumidores aguardam o dia 25 de novembro para comprar a sonhada Smart TV, um console de videogame de última geração, smartphone, notebook ou outro produto de alto valor com um desconto generoso. Outros, já aproveitam para adquirir os presentes de Natal para toda a família.

Para garantir negócios vantajosos, entretanto, é importante que o comprador fique atento às verdadeiras ofertas, prazos de fretes e outros detalhes que as lojas prometem, especialmente nesse ano em que os marketplaces se consolidaram como verdadeiros shopping centers virtuais.

Confira algumas dicas para que o consumidor garanta uma boa compra na Black Friday:

Não se concentre apenas na sexta


O dia que faz jus ao nome da promoção nem sempre é o melhor dia para realizar as compras. As lojas geralmente caem, o sistema fica lento, o consumidor fica com muitas dúvidas sobre o pedido, se foi processado ou não, e as confirmações demoram, pois o volume é intenso. As promoções atualmente já começam na noite de quinta e se alongam até a próxima segunda, então não vá no impulso da sexta e nem perca tempo preocupado se aquele produto desejado ainda estará em estoque, pois a venda tende a começar um dia antes.

Muitas lojas optam por registrar clientes durante todo o ano e encaminhar promoções antecipadamente. Fique atento à sua caixa de e-mails para o recebimento de mensagens de suas lojas favoritas, isso pode garantir um “lugar na fila”, além de preços e fretes mais vantajosos.

Pesquise nos marketplaces


Marketplaces são uma tendência relativamente nova no Brasil, algo que ganhou força nos últimos três anos, mas que nos EUA já atuam há mais de 15. Desde o último ano, aos poucos, os principais varejistas se tornaram shopping centers virtuais com vitrines de comparação de preços e fretes. Ao pesquisar por um produto, verifique a aba: “vendido e entregue por: nome da loja” em uma ordem de preço menor para o maior, e economize tempo e dinheiro na hora da compra. Entretanto, priorize lojas com boa reputação, pois elas serão as responsáveis pela entrega do item.

Atente-se a preços e fretes


Seguindo a linha do item anterior, nem sempre o preço mais baixo deve ser o alvo de interesse dos consumidores, mas sim a oferta melhor. Muitas lojas derrubam o preço do produto, mas cobram um frete altíssimo para compensar. Portanto, considere o preço apenas o valor do produto e a oferta uma composição de produto + frete. Ao comparar, perceberá que a melhor posição em preço nem sempre é a da oferta, então faça a conta e evite o mais chamativo da vitrine, se este não for realmente a melhor oferta.

Priorize cartão ao boleto


É natural que grande parte das ofertas seja com pagamento à vista, uma vez que o lojista recebe o valor integral imediatamente após à confirmação – que no boleto leva um dia útil, enquanto uma venda à crédito demora 30 dias para ser depositado. Caso o consumidor queira garantir este desconto, deve verificar uma opção de depósito ou transferência, mais rápidos que o boleto, mas o cartão de crédito ainda é a melhor pedida para o cliente, devido à aprovação quase imediata, agilizando o envio.


*Gabriel Trindade é gerente comercial do Digital Commerce Group – DCG, detentor das plataformas EZ Commerce, CORE e Octopus.

CTA

Dicas para usar as mídias pagas a seu favor na Black Friday

2

Redes de pesquisa, como o Google Adwords, e sociais, como o Facebook, serão seus melhores aliados nessa hora.


As mídias digitais conquistam cada vez mais a confiança do consumidor e se transformam dia a dia no principal canal de busca por informações de produtos e marcas. Por isso, se você deseja que a sua loja online participe dos períodos de grandes vendas, como a Black Friday, uma das datas mais esperadas pelo comércio, saiba que parte fundamental do processo é ter uma estratégia de marketing digital que proporcione à sua empresa uma comunicação com o público de forma direta, personalizada e nos momentos mais oportunos. A nossa dica ao ingressar nesse universo é estar por dentro de todas as possibilidades de divulgação e, assim, gerar mais lucros para o seu negócio.

Durante a Black Friday, por exemplo, é necessário saber qual o melhor caminho para que sua empresa apareça no mercado de forma eficiente. Em primeiro lugar, entenda onde estão seus consumidores e o que eles desejam, para planejar e investir o seu dinheiro de maneira eficaz. Uma loja online pode colocar à venda todos os produtos do estoque, incluindo aqueles acumulados que precisam estar à vista para gerar um rodízio, ou aqueles menos vendidos, mas bastante procurados, em que um desconto pode aumentar o potencial de venda. Então, aproveite a data de promoção para chamar a atenção do público e fazer com que a sua marca seja vista.

Por que investir em mídias digitais pagas


Um dos principais motivos para investir nas mídias digitais pagas está na necessidade do acompanhamento das reformas que os avanços da internet proporcionam ao mundo dos negócios. Além disso, de acordo com um estudo do Varejo no Brasil, realizado pelo Center for Consumer Insight (CCI) do The Boston Consulting Group, a internet influencia mais da metade de todas as compras do varejo brasileiro, com cerca de 106 milhões usando a internet em algum momento para fazer compras. Então, não deixe de preparar o seu varejo e planejar as melhores formas de ter sucesso nas vendas.

Para atrair o público nessa Black Friday invista nas principais plataformas usadas pelos varejistas para divulgação de anúncios. Entre elas estão as redes de pesquisa, como o Google Adwords, e as redes de displays, como sites parceiros do Google que permitem a divulgação de anúncios gráficos e rich media (anúncios com recursos avançados como vídeo, áudio ou outros elementos) em domínios que fazem relação com as palavras-chaves da sua campanha. Conte também com as redes sociais como o Facebook e Instagram.

Entenda como estas mídias funcionam


Para ter êxito nas suas campanhas de publicidade durante a data, os anúncios dos produtos precisam chegar pontualmente aos consumidores em potencial para a sua empresa.

Pelo Google Adwords, você pode segmentar essas campanhas por público, interesse, região, sexo, gênero, entre outros; escolher dia e horário; utilizar palavras-chave, selecionando termos que mais se encaixam com o segmento escolhido, com o objetivo da ação e até mesmo com o produto, para aparecer na rede de pesquisas do Google (encontre as palavras mais buscadas por meio do Google Keyword Planner); além de controlar os custos, estabelecendo orçamentos por dia ou por um período determinado.

Já pelo Facebook, essas funções são mais específicas, exigindo que você segmente por público, localização, idade e sexo. Na ocasião, a própria rede social lhe dá a opção de divulgar a campanha também no Instagram.

Depois de definidas as plataformas, pegue, por exemplo, aquele produto que está em grande quantidade no seu estoque e crie um texto (rede de pesquisa) ou banner (rede de display ou nas redes sociais) com informações básicas sobre ele, mostrando a sua marca e o preço com desconto no caso da Black Friday. Selecione os segmentos, escolha o melhor orçamento para o seu bolso e permaneça no controle dos resultados.

Investimento em prol do retorno


Seja para os empreendedores de grande porte, donos de e-commerces, ou até mesmo para aqueles empreendedores individuais que vendem produtos online, a implantação e execução de uma boa campanha não demandam grandes orçamentos mesmo na Black Friday. As mídias digitais pagas exigem certo custo, porém, são mais baratas que qualquer investimento em anúncios nas mídias tradicionais como jornais, revistas ou televisão. Sendo assim, lembre que a data ocorre durante um único dia do mês e que o seu anúncio numa revista pode ser não visto a tempo pelo consumidor. Já pela agilidade e maneira inteligente como funciona uma mídia digital, os seus anúncios são expostos ao consumidor e tendem a ser mais eficazes.

Os investimentos variam de empresa para a empresa. Os custos em qualquer plataforma já são convertidos para a moeda brasileira. O valor mínimo que você pode gastar em um anúncio é de R$ 5. O seu investimento pode ser aplicado para um único dia (o que é muito bom para quem participa da Black Friday) e gasto nessas 24 horas ou, se não for totalmente gasto, pode ser usado em outro momento, editando a campanha para outro período. Além disso, o anúncio sempre será cobrado por clique, ou seja, você só paga se o usuário clicar no link e acontecer o redirecionamento para o seu site. Dessa forma, quem participa da Black Friday não tem perigo de investir além do orçamento já previsto, devido a esse controle oferecido pela plataforma, e no final não terá prejuízos.

Monitoramento


Tanto as redes de pesquisa quanto as redes sociais podem levar benefícios para a sua empresa durante a Black Friday. As primeiras viabilizam e realizam um conhecimento maior da marca. As segundas têm o poder de atingir o consumidor mesmo que ele não esteja ciente das promoções que a sua empresa tem para aquela data.

No entanto, para que ao final do dia os resultados sejam positivos, você precisa saber que somente uma boa plataforma de comércio eletrônico, como a EZ-Commerce, consegue sustentar o número de acessos que as campanhas podem gerar para a sua loja online.

Além da ajuda do gerenciador de anúncios que as próprias plataformas oferecem, essa ferramenta permite que você acompanhe os movimentos da campanha, confira se as palavras-chave adicionadas estão rendendo e verifique o horário que as pessoas estão clicando nos seus anúncios. Sem isso, o seu negócio não conseguiria acompanhar a grande demanda que a Black Friday instiga e nem fazer as alterações necessárias como o desligamento de uma campanha caso o produto acabe ou mudanças nos investimentos que evitam desperdícios e geram maiores lucros.

Então, não perca tempo e coloque as mídias pagas a trabalharem a seu favor nesta Black Friday. Lembre-se: pesquisa do Google realizada em agosto aponta que três em cada quatro consumidores do varejo online brasileiro estão bastante animados para a edição 2016 da Black Friday. Não perca essa chance.

Confira as opções da EZ Commerce pelo site www.ezcommerce.com.br

CTAf

9 técnicas para aumentar conversão em lojas on-line

Post-blog-9 técnicas infalíveis para aumentar conversão em lojas on-line

Atrair a atenção de quem está do outro lado da tela do computador é uma tarefa desafiadora, pois são muitas as opções de entretenimento, vendas e notícias. A internet se tornou um espaço em que sem estratégia, o faturamento de quem está ali para vender o seu peixe, pode desacelerar. Por isso, aumentar conversão em lojas virtuais é um conhecimento mais do que necessário.

Antes, quando se falava de lojas virtuais surgia na mente os grandes nomes do mercado, porque não era tão simples colocar uma dessas plataformas para funcionar. No entanto, o tempo passou e os novos recursos tecnológicos abriram as portas para qualquer pessoa, cujo interesse é o de empreender on-line.

Como se sabe, levar o usuário até a última fase, no caso a concretização da compra, é uma tarefa árdua. Principalmente, pois, muitos carrinhos são abandonados antes mesmo da página de pagamento. O percentual de pessoas que deixam as suas compras de lado e vão embora é alarmante, supera 95%.

Com isso, a conversão, dificilmente, passa de 3%. Daí, o questionamento de muitos parece soar uníssono: como chama a atenção dos novos e fidelizar os clientes? Quer saber mais sobre o assunto? Confira as nossas dicas a seguir!

1. Estude métricas


Inaugurar uma loja na internet não é a mesma coisa que abrir as portas de um estabelecimento e ficar ali esperando algum cliente entrar. Vai além disso. É praticamente impossível lidar com esse cenário sem um conhecimento aprofundado sobre as métricas. O planejamento é uma etapa importante, mas todo esse estudo não faz sentido sem uma análise do que foi positivo ou não.

O Google Analytics é indispensável em qualquer negócio on-line. Com essa ferramenta é possível descobrir de onde vem o tráfego, os itens mais buscados pelos usuários, bem como os entraves que podem ser evitados. Ou seja, fica mais fácil otimizar aquilo que foi mensurado. Certamente, essa não é a única opção, pois a Webtrends, Catalyst, por exemplo, executam um trabalho semelhante.

2. Passe credibilidade


Alguns detalhes fazem toda a diferença. Para se ter uma ideia, uma simples informação de que a loja possui um certificado de segurança (SSL) pode mudar muita coisa. Quanto mais o usuário se der conta de que o site é seguro, certamente, não se limitará à sua preferência. A política de privacidade é algo que não pode passar batido, afinal, o cliente precisa ficar por dentro das suas garantias.

3. Invista em contato com o cliente


Quanto mais clientes acessando e comprando, melhor para os negócios, certo? Esse é o desejo de muitos empreendedores, mas poucos são os que investem em formas variadas de contato com os usuários. Implantar a loja virtual e simplesmente deixar ela lá, não faz sentido. O cliente precisa de suporte, sendo assim, inclua números de telefone, chat e ícones de redes sociais.

4. Aposte no e-mail marketing e no remarketing


Os e-mails ainda conseguem atrair muita gente, por isso, não devem ser ignorados. No caso das lojas virtuais, o usuário, automaticamente, passa esse dado quando efetua o cadastro, o que torna o processo mais viável. Mesmo assim, é sempre interessante perguntar antes se o cliente deseja receber informações da loja.

Com o e-mail marketing é possível coletar uma série de dados, que poderão ser usados no planejamento da próxima campanha, por exemplo. O remarketing é bacana, porque tornará as informações mais seletivas, ou seja, as ações tenderão para o público-alvo, de fato.

5. Alcance mais gente com um blog


Tudo bem que o termo “blog” tornou-se algo massivo. Mas é importante destacar que essa ferramenta é uma verdadeira arma, com ela é possível chamar a atenção do público desejado, disponibilizando conteúdo de qualidade. Parece uma ação simples, porém, ela surpreende quando falamos em ranqueamento. Um conteúdo bacana coopera e muito para a taxa de conversão de lojas virtuais.

6. Crie incentivo de obtenção de descontos


Dar alguma coisa em troca. Nos negócios, os processos costumam funcionar bem assim. Isso não precisa se tornar uma obrigação, mas funciona. Os descontos não precisam ser exagerados, apenas algo que demonstre cordialidade com aqueles que acessaram a página e chegaram até o final.

Algumas lojas têm oferecido à tática de descontos. Os clientes só conseguem obtê-lo depois que chegam à página de pagamento. Para isso, eles são convidados a curtir a página nas redes sociais ou mesmo clicar para receber a newsletter. Com criatividade, é possível implementar ações matadoras.

7. Cuide da sua reputação


Os canais de contato ajudam a aproximar a clientela, isso também sugere grande responsabilidade. Dessa maneira, as redes sociais, chat, blogs, devem ser sempre monitorados, pois um cliente insatisfeito pode desestabilizar as estratégias que vêm sendo implementadas.

8. Contribua para aumentar conversão de lojas virtuais por meio da busca


Uma pesquisa realizada pela Nielsen constatou que mais de 40% dos usuários não seguem adiante com os seus carrinhos no ambiente on-line. Em uma loja física, o empresário conta com a abordagem do seu colaborador. Na internet, quem realiza essa tarefa são as ferramentas de busca.

É como se o cliente acabasse de entrar no estabelecimento para pedir alguma informação. Ou seja, se o atendimento não corresponde às suas expectativas, ele simplesmente dá as costas e vai embora. Essas ferramentas também ajudam na hora de obter resultados relevantes.

9. Não descarte a ideia do marketplace


De uma forma geral, os marketplaces podem ser interpretados com os shoppings centers do mundo virtual, pois nessas plataformas ficam disponíveis os produtos de diversos varejistas e lojistas, de segmentos variados. Também é uma oportunidade de melhorar a conversão. O cadastro nesses ambientes é feito por meio de um formulário que considera os seguintes etapas:

  • Cadastramento de parceiros;

  • Envio de documentos legais (certidão negativa de débitos, inscrição estadual);

  • Aprovação;

  • Envio de produtos;

  • Integração da loja.

Aumentar conversão não é uma tarefa simples ou fácil, pois demanda planejamento, mensuração do que foi executado e trabalho duro. Apesar disso, os resultados da implementação dessas e outras mudanças mostram que vale a pena continuar tentando, pois a internet é uma tecnologia que ainda pode ser muito explorada! Para ficar por dentro de todas as novidades, curta a nossa página no Facebook!

cta2

Entenda como funciona integração Marketplaces

Post-blog-Integração com marketplace entenda como funciona o processo

O fenômeno do e-commerce ainda é recente, mas seus números são impressionantes. Considerando a evolução tecnológica que o mundo viu assombrado nos últimos trinta anos, verificar hoje as facilidades que a internet trouxe parece quase ficção científica.

No entanto, os números são reais e mostram a forma que o comércio on-line ganhou nos últimos anos e a que ainda terá nos próximos. Segundo a E-bit, em 2015 o faturamento total chegou a R$ 43 bilhões e em 2014 foram 51,5 milhões de consumidores que realizaram pelo menos uma compra on-line, havendo uma média de duas compras por consumidor.

A perspectiva é que até 2020 esses números dobrem, o que mostra como a internet — e as compras on-line — já fazem parte do dia a dia das pessoas. Há, é claro, várias vantagens em se comprar on-line. Preços mais competitivos, facilidade na pesquisa e na comparação, receber o produto em casa…

A tecnologia dos aplicativos e das plataformas mobile dos smartphones tiveram uma grande parcela de responsabilidade nesse crescimento, assim como a melhoria na qualidade de conexão. Os fatores são vários, mas o resultado é um: o mercado digital cresceu.

O crescimento dessa forma de comércio foi acompanhado pelo crescimento do número de e-commerces e por plataformas melhores e mais dinâmicas. Dentro disso, tivemos o desenvolvimento dos marketplaces. Resumidamente, os marketplaces são grandes vitrines virtuais, sites com reconhecimento dentro do e-commerce que disponibilizam o espaço para outros e-commerce.

O termo vem do inglês “market”, que significa mercado e “place”, que significa lugar. Ou seja, é um lugar de vendas on-line, como um shopping digital. Se você ainda não está familiarizado com o conceito, veja este artigo que detalha o funcionamento e os principais marketplaces do Brasil.

Para muitos e-commerces pode ser vantajoso entrar em um marketplace, por diversos motivos. No entanto, não basta ter a solicitação aprovada e se associar a um marketplace. É preciso tomar alguns cuidados para realizar uma integração com o marketplace que seja rentável.

Para entender como ocorre esse processo, fizemos este artigo mostrando a importância da presença em marketplaces, como fazer a escolha das lojas parceiras, a gestão de produtos e de preços, a criação de atributos, a integração do estoque, a manutenção dos APIs e, por fim, a necessidade de um sistema de qualidade para uma gestão eficiente.

Confira!


1. A importância da presença em marketplaces


Primeiro, devemos pensar acerca dos motivos que justificam a presença em marketplaces. A resposta pode parecer simples: ter mais visibilidade e acesso a milhões de clientes. No entanto, embora esse seja com certeza um motivo, ele não é o único.

Considere que os principais marketplaces do mercado brasileiro são a B2W — que conta com os sites da Americanas, Submarino e Shoptime —, a CNova — que atua com Ponto Frio, Casas Bahia, Extra e Cdiscount —, Mercado Livre, Netshoes, Enjoei, Tanlup, Elo7, dentre outros.

Esses sites têm milhões de visitantes diários, confiança do mercado e sistemas de proteção e segurança on-line de ponta. A integração com marketplaces tende a ser vantajosa em diversos aspectos. Além da maior visibilidade, utilizar os marketplaces pode ser uma excelente forma de poupar gastos, garantir maior segurança nas transações e aumentar o índice de confiabilidade do seu e-commerce.

Isso porque os marketplaces já possuem uma infraestrutura montada, know-how que pode ser usufruído pelo e-commerce integrado e facilidades de pagamento, com diversas opções para o cliente — o que, na internet, é um grande atrativo.

Outra vantagem que a integração com marketplaces garante é o menor custo com divulgação e marketing. Afinal, como mais pessoas visitam esses sites, a conversão em vendas tende a aumentar e, consequentemente, o custo de aquisição por cliente a diminuir. E se tudo isso não for suficiente para convencê-lo, pense no seguinte: se você não fizer, o seu concorrente fará.

2. Escolha das lojas parceiras


Antes de mais nada, é importante dizer que é possível fazer a integração com diversos marketplaces. Ou seja, não é necessário exclusividade para trabalhar com apenas um deles. Claro que isso exige uma logística gerencial muito maior, mas essa pode ser uma excelente forma de ter ainda mais alcance e vendas.

Dito isso, escolher as lojas parceiras de marketplace é um pouco mais complicado do que se imagina. Afinal, se há tantas vantagens, basta se associar a todas elas, certo? Errado.

Cada loja parceira tem suas peculiaridades, sua forma de cobrança (a maioria cobra comissão sobre a venda, que pode não compensar, a depender do produto em oferta) e, principalmente, seu público-alvo.

Para um e-commerce de acessórios tecnológicos, por exemplo, integrar-se com a Netshoes não compensa. Isso porque a Netshoes é um marketplace voltado para tênis, calçados e artigos esportivos. O público-alvo da Netshoes não é o mesmo da Submarino, que foca na venda de produtos tecnológicos e livros.

O público-alvo é um dos fatores determinantes, mas há outros que precisam ser também levados em consideração. Os marketplaces não são gratuitos. Como toda empresa, eles lucram com o que oferecem. E a forma como essa cobrança se dá em relação aos e-commerces precisa ser colocada na balança.

Muitos também possuem critérios de anúncios, como fotos e número de caracteres que, por vezes, não se enquadra no negócio do e-commerce. Um e-commerce de livros não pode prosperar se o limite da descrição do produto não chega a alcançar a sinopse, por exemplo.

Há, ainda, que se considerar o valor médio e a concorrência dentro do marketplace. Se, abatendo as comissões, a venda não for lucrativa, não é um bom negócio. Outro fator de extrema relevância é verificar a avaliação, reputação e ranking de confiabilidade da loja parceira escolhida na internet.

Isso é medido por sites especializados como o Reclame Aqui e o E-bit, que classificam por notas a satisfação do consumidor final. Isso é importante pois, ao fazer a integração com marketplaces, a sua empresa estará ligando a sua imagem a ele.

É sempre melhor se associar com aqueles que tenham um alto índice de confiança dos clientes, pois isso também representa o nível de procura. Essa pesquisa deve ser cuidadosa e merece atenção redobrada.

A escolha das lojas parceiras, portanto, deve passar por uma averiguação personalizada, levando em conta o valor da comissão cobrada ou a forma de remuneração existente, o desconto nas compras a prazo de crédito ou no cartão de débito, o público ao qual a loja parceira se destina, os critérios para o anúncio — tais como a resolução das fotos, o número de caracteres e as possibilidades de ofertas.

Em última análise, ao escolher uma loja parceira de marketplace, é preciso que esta seja adequada ao e-commerce e que represente uma vantagem financeira efetiva e concorrencial.

2.1 Associação com marketplaces


Considerando que é importante a integração com marketplaces e que foi feita a pesquisa para conhecer as melhores lojas parceiras, cabe procurar as escolhidas para fazer a associação. É importante, nesse ponto, também conhecer e estar ciente das regras de associação que mostram as possibilidades e as limitações.

Há diversas exigências, como tempo mínimo de e-commerce, ticket-médio em determinado valor, notas positivas em sites de avaliação como o E-Bit ou o Reclame Aqui, CNPJ cadastrado — além das condições de recebimento das vendas, valor das comissões, taxa de setup (ingresso) e outros critérios que devem ser conferidos e analisados.

Ou seja, cada uma delas tem contratos e condições distintas que devem ser pesquisadas. Em geral, as exigências são muito razoáveis e até mesmo intuitivas. Mas, no que houver dúvida, o departamento de atendimento é muito bem preparado para auxiliar.

2.2 Separar a documentação


A fim de agilizar a solicitação de associação e não ter surpresas no caminho, o ideal é, no primeiro momento, separar toda a documentação exigida pelas lojas parceiras escolhidas, os dados a serem preenchidos e, com tudo conferido, fazer a solicitação.

Depois desse contato, eles responderão com maiores informações para proceder a integração, como API necessário, atributos dos produtos, etc. Cumpridos os requisitos e aprovada a associação, é começar a vender, certo? Mais ou menos! Na verdade, as complexidades de se trabalhar com marketplaces começam a partir desse ponto.

Saiba mais sobre isso adiante!


3. Gestão de produtos e preços


Uma das consequências da popularização dos marketplaces é o acirramento da concorrência. Afinal, quando diversos varejistas virtuais expõem seus produtos (muitas vezes o mesmo) na mesma vitrine, ganha aquele que tiver o melhor preço ou as melhores condições.

Não só há o acirramento da concorrência, como é preciso levar em consideração a média de preços de um marketplace para a melhor precificação, considerando informações como, por exemplo, o público-alvo e a classe social deste, a disposição de pagar mais ou menos, a forma de pagamento possível, o valor do frete que pode ser cobrado, etc.

Ou seja, se cada marketplace tem um público-alvo, uma forma de vender o produto, um valor de comissão distinto e níveis diferentes de concorrência, é preciso fazer uma gestão de produtos e preços específica para cada um. É esse o momento em que a integração de marketplaces por uma plataforma integrada começa a se fazer imprescindível.

É preciso precificar e acompanhar em tempo real as vendas realizadas, programar promoções, agendar anúncios, disponibilizar produtos… Isso para cada uma das lojas parceiras, levando em consideração suas peculiaridades.

Fazer essa gestão de preços e produtos é essencial para que se tenha sucesso no uso dos marketplaces como local de venda. E ela pode ser muito mais simples quando é automatizada.

3.1 Integração de estoque


Uma outra importante questão é a integração do estoque, algo que nem todos os varejistas virtuais se preocupam como deveriam. Não há forma mais garantida de perder confiabilidade do que vender um produto indisponível.

E quando não há uma centralização do estoque, é comum vender em dois ou mais marketplaces um produto e não tê-lo para entrega a todos os clientes — o que demonstra falta de profissionalismo e pode, inclusive, levar ao fim da associação com os marketplaces.

A gestão de estoque precisa ser uma preocupação prioritária para quem trabalha com vendas. No caso do e-commerce, isso é ainda mais importante. Ou seja, quando se trabalha com mais de uma loja parceira, além do próprio e-commerce, é absolutamente necessário ter uma integração do estoque, que permita trabalhar conjuntamente as vendas efetuadas em tempo real.

A integração com marketplaces passa por esse controle, que precisa ser muito bem planejado. Isso possibilita uma melhor experiência do cliente, garantia de vendas e organização. Por isso, é essencial escolher uma plataforma que tenha essa funcionalidade — como a Octopus, por exemplo.

Além disso, o estoque tem um custo para o e-commerce que precisa ser levado em consideração. A otimização do estoque passa pela análise do volume de vendas. A integração e gestão do estoque, portanto, precisa desse relatório para as projeções de produção e lucro.

3.2 Gestão de negócio


O gerenciamento completo de todas as etapas da venda e pós-venda formam a gestão de negócio. Essa é uma avaliação e projeção com base nos dados colhidos do estoque, vendas, aquisição de produtos, taxas de conversão, custo por cliente e outros indicadores.

Aqui entra a necessidade da habilidade do gestor e também de um bom ERP que possa colher e processar esses dados de forma integrada. A gestão de negócio deve saber como a empresa está indo e o que pode ser feito para crescer.

Nesse caso, ela é útil para saber se a integração com marketplaces está sendo benéfica. A geração dos indicadores pode ser automatizada, mas a forma de trabalhar com eles e de interpretá-los depende exclusivamente do empreendedor.

3.3 Cotação de Frete


Uma pesquisa feita pelo Econsultancy mostrou que grande parte dos motivos pelos quais os potenciais consumidores desistem de uma compra tem relação com o frete. Não importa o que você vende, se esse produto é físico, ele precisa chegar às mãos do consumidor por um sistema de frete. E o valor e a agilidade do frete influem diretamente na decisão de compra.

Por isso, é muito importante que o varejista tenha sempre noção da cotação do frete nos diversos marketplaces, para facilitar a definição sobre quanto cobrará. Isso possibilita, em promoções, dar mais opções de frete, como dos Correios — carta registrada, PAC, E-sedex (criado especificamente para produtos de e-commerce), sedex normal, etc — ou também empresas de logísticas.

Uma plataforma de integração com marketplaces que forneça essas informações é uma ferramenta muito útil para o varejista virtual.

4. Criação de atributos


Ao fazer a integração com marketplaces, é preciso adequar-se às diretrizes destes. Muitas vezes, eles exigem determinados atributos do produto à venda, como o EAN (Número de Artigo Internacional, ou código de barras, como é mais conhecido) ou o Brand (marca).

Nem todos os ERP do mercado possuem a funcionalidade da criação de novos atributos. Sendo uma parte essencial da descrição do produto ou da forma de venda, os atributos precisam ser inseridos. E o ideal é que seja fácil e simples fazê-lo, por meio da plataforma de integração. Essa é uma das funcionalidades que você poderá encontrar no Octopus, facilitando ainda mais o processo de integração.

5. Manutenção das APIs necessárias


Toda a mágica da integração com marketplaces passa pelas APIs, que são, de uma forma simples, a cola digital que permite que as plataformas se liguem ao sistema da loja parceira. A API é um código que é disponibilizado pelo marketplace para que o varejista possa acessar e integrar seus produtos e permitir a comunicação virtual.

A API dos Marketplaces está em constante evolução para garantir cada vez mais segurança ao varejista, ao marketplace e ao consumidor final. O seu desenvolvimento, no entanto, implica em mudanças que devem ser acompanhadas pela plataforma escolhida.

A manutenção das APIs necessárias é um fator determinante nessa escolha, ao garantir uma melhor integração. Como as APIs são um código digital, é trabalho de profissionais lidar com elas. Por isso, optar por um sistema de integração de qualidade e confiança é a melhor forma de trabalhar com as principais lojas parceiras do mercado.

6. Marketing e campanhas personalizadas


Nenhuma marca sobrevive sem marketing. É cada dia mais importante ter o produto em evidência e criar maneiras de fidelizar os clientes. O marketing, especialmente o digital, passou por diversas revoluções e, hoje, entende-se a necessidade de personalizar e atingir um bom relacionamento com o consumidor.

Para isso, é preciso saber os meios de comunicação pelos quais se alcançará o público-alvo. Ao se associar a uma loja parceira, a sua empresa faz uso dela como vitrine e ponte para alcançar esse público. Ainda que dois marketplaces trabalhem com o mesmo produto, o público-alvo pode ser diferente, com base no gênero, idade ou classe social.

Por isso é importante ter campanhas personalizadas para cada um deles. Uma das vantagens do uso do marketplace é justamente a diminuição do custo com marketing. Mas isso só funcionará se a campanha personalizada tiver qualidade.

7. A importância de um sistema de qualidade


A palavra de ordem ao se tratar de comércio on-line é segurança. Essa é a principal preocupação do consumidor final. Não estamos apenas falando em segurança de dados — matéria de suma importância — mas segurança de que o produto que está ele adquirindo será entregue e tenha qualidade.

Para isso, é preciso que o varejista on-line seja cuidadoso com sua gestão de preços, produtos e estoque, conheça o público-alvo de cada uma das lojas parceiras, garanta que o consumidor tenha as informações necessárias sobre o produto, efetive corretamente as compras e envie o produto no prazo estabelecido.

Ao trabalhar com o próprio e-commerce e com marketplaces, todas as informações precisam ser centralizadas e acompanhadas, com geração de relatórios confiáveis e gestão eficaz. É a partir desses dados que poderão ser feitas as diversas projeções que servirão para a ampliação ou para a reestruturação da empresa.

Portanto, ter um bom ERP de gestão do e-commerce — que se comunique uma plataforma de integração com marketplaces — é de suma importância para qualquer empreendedor do ramo. O serviço profissional e o uso da tecnologia de ponta são aliados que representam um investimento na qualidade do serviço.

Para isso, deve-se procurar uma plataforma de e-commerce que contará com uma infraestrutura profissional, equipe de apoio disponível 24 horas, capacidade de atender à loja virtual mesmo nos picos de demanda, servidores que evitem falhas — com protocolos de redundância e preservação de dados, backup constante, alta conectividade e tempo de resposta otimizado.

Mais do que isso, é preciso adotar uma plataforma que torne desnecessária a preocupação com todos os termos tecnológicos citados acima, pois ela oferecerá a confiança necessária para garantir o crescimento e a eficácia da sua loja virtual.

8. Conclusão


A Era Digital mudou as relações de consumo e de comércio — e os marketplaces chegaram para ficar. A concentração das vendas em vitrines virtuais é uma tendência do mercado digital, que tende a crescer ainda mais nos próximos anos.

Há diversas vantagens atreladas à sua utilização — maior visibilidade, confiabilidade, segurança digital e número de clientes potenciais, diminuição com os custos de aquisição de cliente e marketing, continuar como competidor no mercado.

As opções de lojas parceiras são diversas e cada uma tem suas peculiaridades, público-alvo, valor de comissão ou cobrança. A integração com marketplaces deve ser planejada considerando esses fatores para que seja vantajosa. Os requisitos de associação variam de uma para outra e é importante ter a documentação pronta para agilizar o processo.

Também é importante tomar cuidados essenciais com a gestão de produto, preço e estoque, pois isso assegurará a confiabilidade e a competitividade do e-commerce. Para isso, é essencial uma plataforma de integração que tenha funcionalidades que permitam a integração do estoque e controle sobre as ofertas em cada marketplace.

Além disso, ela deverá facilitar e tornar intuitivas as questões técnicas, como a criação de atributos ou manutenção de APIs, relatórios de indicadores, personalização de vendas nos diferentes marketplaces, integração ampla e tempo de resposta curto.

A integração com marketplaces pode ser uma grande vantagem de mercado, aumentando seu potencial de vendas, sua abrangência, seu público e sua conversão. Para isso, é preciso muito trabalho, condições de gerar e interpretar os indicadores, saber analisar as flutuações mercadológicas, compreender a necessidade de cada público-alvo e agir rápido. O tempo da internet é virtualmente zero e cada oportunidade perdida por um é encontrada por outro.

Levando tudo isso em consideração, é necessário contar com um sistema de qualidade. Você já conhece o Octopus? Ele Conecta a sua loja virtual com milhões de consumidores. Para saber mais, acesse: www.octopus.place

cta2

5 passos para impulsionar vendas em datas comemorativas

Post-blog-Como impulsionar vendas em datas comemorativas em 5 passos

Datas comemorativas são uma grande oportunidade para impulsionar vendas no seu negócio. O calendário anual apresenta sazonalmente períodos nos quais se pode aproveitar para realizar promoções e lucrar mais.

Neste post, vamos apresentar 5 passos essenciais para aproveitar as datas comemorativas e impulsionar vendas na sua empresa. Confira!

1. Conheça o seu público-alvo


Antes de tudo, é preciso saber quem são seus consumidores. Para tanto, faça uma pesquisa de mercado e analise idade, gênero, hábitos de consumo, canais de comunicação mais utilizados, dentre outras questões.

Com essas informações em mãos, é possível utilizar da criatividade e ir além das 6 datas comemorativas tradicionais, que são: Natal, Páscoa, Dia dos Namorados, Dia das Mães, Dia dos Pais e Dia das Crianças.

Se o seu negócio tem como foco o público feminino, por exemplo, é possível se valer, pelo menos, de mais duas datas para a realização de promoções. O Dia da Mulher vem sendo cada vez mais explorado no comércio. Além dele, durante todo o mês de outubro, cada vez mais negócios se valem do Outubro Rosa para vender mais.

Se grande parte do seu público vem do meio virtual, saiba quais são as redes sociais que rendem mais acessos e clientes para a sua empresa. Dessa forma, financiar campanhas pagas no Facebook, por exemplo, pode render um engajamento considerável para o seu negócio.

2. Faça promoções


Não é segredo para nenhum empreendedor que, em datas comemorativas, é quase uma obrigação realizar promoções. Porém, é preciso ficar atento para não conceder descontos a esmo e não conseguir impulsionar as vendas do seu negócio.

Criar uma promoção requer planejamento, portanto, pense nos objetivos que você deseja alcançar e trace uma meta. Quais produtos vão ser contemplados pela promoção? Qual é a porcentagem de desconto? Os descontos serão progressivos para clientes que comprarem mais?

Ao definir os preços de produtos em promoção, atente-se aos limites que você pode chegar. Um desconto muito pequeno pode não atrair a atenção desejada, ao passo que um muito grande pode retirar todo o seu retorno financeiro.

Outro ponto importante para a definição de promoções é estabelecer um prazo. Promoções não podem se estender demais, caso contrário, o consumidor perde o interesse e, principalmente, o senso de urgência da compra.

Definir o prazo certo para sua promoção acabar fazendo com que o consumidor esteja ciente que uma grande oportunidade está sendo oferecida. Em datas comemorativas, procure não ultrapassar o dia em questão. Dessa maneira, uma promoção de Dia das Mães, por exemplo, deve acabar exatamente nessa data.

Caso você possua um e-commerce, uma boa estratégia promocional é oferecer cupons de desconto ou mesmo períodos de frete grátis. No comércio virtual, quanto mais visibilidade você trouxer para o seu negócio, melhor.

Terminado o período de promoção, lembre-se de medir os resultados para que possíveis erros possam ser corrigidos no futuro.

3. Personalize seu negócio


Durante as datas comemorativas, o comércio em geral costuma investir em decoração e divulgação diferenciada. Isso é muito comum, principalmente nas datas citadas acima. Qual comércio não se enfeita com luzes de natal em dezembro?

Por isso, mais do que alterar a decoração da sua loja, seja ela virtual ou física, invista na personalização dos seus produtos e serviços. Pense que seus clientes diretos serão, em boa parte, pessoas que vão presentear entes queridos.

No período em que vemos promoções de Dia das Mães, por exemplo, quem mais frequenta as lojas são os filhos. Portanto, é interessante oferecer um serviço personalizado para ambos.

Uma boa dica é investir em um atendimento que possa auxiliar os consumidores durante a compra, apresentando sugestões e ideias. E para os presenteados, inclua uma mensagem parabenizando pelo dia, seja junto ao produto ou via e-mail. Todo cliente gosta de ser tratado de uma forma diferenciada.

4. Aposte na divulgação


Datas comemorativas pedem grandes campanhas de divulgação. Mas é possível atingir um grande público sem investir quantias milionárias em marketing.

Você sabia que 62 milhões de brasileiros acessam o Facebook por dia? Desse total, 50 milhões usam dispositivos móveis. Mensalmente, esses números sobem para 92 e 77 milhões, respectivamente.

As redes sociais são, hoje, um dos maiores canais de divulgação do mundo! Existem milhões de possíveis consumidores acessando essas plataformas todos os dias, em qualquer lugar.

Portanto, que tal investir em campanhas pagas com um público definido? Se você seguiu corretamente os passos descritos até aqui, já conhece detalhadamente o seu público-alvo.

O Facebook e o Instagram são as redes sociais mais acessadas pelos brasileiros. E como o Instagram atualmente faz parte do Facebook, a forma como se realiza campanhas pagas é semelhante em ambas as plataformas.

É possível direcionar um post pago para os usuários que coincidem em idade, gênero e interesses com seu público-alvo. Dessa forma, além de atrair usuários para aquela promoção em particular, você invariavelmente vai alcançar cada vez mais pessoas interessadas na sua marca, fidelizando mais e mais clientes.

5. Seja original


Por fim, é importante salientar que boa parte das ações aqui listadas já é adotada pelo comércio. O que realmente diferencia na atração de mais clientes e pode te ajudar a impulsionar vendas é a maneira como você aborda as datas comemorativas.

Um bom exemplo é o atendimento aos clientes. Uma data como o Dia dos Namorados sempre apresenta lojistas focados nele ou nela. Várias lojas direcionam promoções para o homem, e outras, para a mulher. Mas por que não focar no casal? Essa é uma data em que os dois vão celebrar juntos, portanto, seja criativo e ofereça vantagens para os dois.

Ser original no meio comercial pode parecer difícil, mas os meios de comunicação ajudam na diversificação das campanhas promocionais. Existem estratégias de marketing que se tornam virais, como as campanhas d’O Boticário, por exemplo.

A empresa se aproveita de assuntos polêmicos para criar campanhas de impacto, buscando a conscientização da população ao mesmo tempo em que valoriza sua marca.

Pensar fora da caixinha requer um senso de criatividade e oportunidade grande, mas invariavelmente trará sucesso nas vendas. Portanto, busque sempre ser original!

Quer mais dicas como essas? Que tal nos seguir nas redes sociais? Estamos no Facebook, no Twitter e também no LinkedIn!

cta2

10 Dicas para montar um e-commerce de sucesso

Post-blog-10-dicas para montar um e-commerce de sucessofff

1. Introdução


O setor do comércio que mais cresce atualmente no Brasil é o virtual. E não é para menos! Com a possibilidade de poder adquirir a mais ampla gama de produtos sem sair de casa, economizando tempo e dinheiro, é cada vez maior o número de consumidores que aderem à prática de comprar pela internet.

Antenadas nessa tendência, muitas pessoas estão se lançando nesse mercado, abrindo suas próprias lojas virtuais. O que pouca gente sabe, no entanto, é que mais da metade desses empreendimentos fecha suas portas antes mesmo de completarem um ano de vida, segundo dados divulgados pelo Sebrae.

Entre os motivos citados para essa enorme porcentagem está, principalmente, a falta de um bom planejamento, de estrutura e de logística, bem como o baixo entendimento do mercado de atuação e o pouco investimento em estratégias de marketing e divulgação.

Por isso, apesar de ser um mercado muito promissor, se você está pensando em abrir um e-commerce de sucesso, fique atento às dicas mostradas neste post e acerte na estratégia!

2. Faça uma pesquisa de mercado e entenda seu nicho


Por mais que o mercado de e-commerces esteja em plena expansão no Brasil, é necessário esclarecer que, apesar de virtual, sua loja será uma empresa como qualquer outra. O que isso significa, na prática? Que para que você obtenha sucesso com o seu empreendimento, entender como funciona esse mercado e, principalmente, o seu nicho de atuação, é essencial.

Por isso, antes de mais nada, é necessário montar um bom plano de negócios para seu e-commerce, descrevendo seus objetivos, valores e missão. Também deve ser definido onde você deseja chegar com o seu empreendimento e em quanto tempo isso deve acontecer.

Além disso, o plano de negócios deve conter um mapeamento detalhado do mercado em que você deseja atuar. Quais são as suas necessidades? A quais demandas o seu negócio vai atender? Qual será o seu diferencial frente aos concorrentes?

Para que essas perguntas sejam respondidas da maneira mais realista e objetiva possível, é essencial que você saiba exatamente quem é o seu cliente e o que ele espera da sua marca. E quando falamos em comércio eletrônico, focar em nichos específicos tem se revelado a melhor estratégia em direção ao sucesso.

Ao direcionar todos os seus esforços de marketing e captação de clientes a um público mais restrito, as suas possibilidades de alavancar a marca e de aumentar a taxa de conversão rapidamente são muito maiores. Por isso, talvez seja muito mais interessante (e rentável), em vez de investir em uma e-commerce de alimentos em geral, focar na venda de produtos para quem tem alergias alimentares, por exemplo. Pode acreditar: focar em nichos específicos gera resultados incríveis!

3. Análise de concorrência: como fazer?


Após a análise do mercado e da definição do seu nicho de atuação como lojista on-line, chega a hora de pesquisar e entender a fundo a sua concorrência. Essa etapa é extremamente necessária para que você consiga gerar potencial competitivo para sua empresa, posicionando-se adequadamente no mercado.

Para fazer isso, procure saber quem são os seus principais concorrentes. Como se posicionam no mercado? Quais são suas estratégias de marketing? Como é a experiência de compra nos seus ambientes virtuais? Que produtos são os mais vendidos?

Nessa hora, vale até mesmo simular compras nos sites concorrentes, apontando os pontos positivos e negativos que você experimentará durante o processo. Além disso, pesquise sobre a existência de fanpages e perfis nas principais redes sociais e procure saber como as empresas se relacionam com seus clientes. As taxas de reclamação são altas? Eles interagem de maneira satisfatória com seus consumidores? Há uma estratégia de e-mail marketing ou newsletter? Existe um blog com artigos de qualidade?

Documente todas as informações que encontrar sobre cada empresa concorrente. Isso vai te dar uma base de dados extremamente valiosa e que vai ajudar imensamente na hora de lançar sua loja no mercado — e, principalmente, criar algo que a diferencie do que já existe por aí.

4. Estrutura do e-commerce: plataforma, layout e servidor


Assim como uma loja física tem que se preocupar com a boa decoração e o espaço do ambiente de vendas, bem como com o treinamento dos seus vendedores para atender bem ao público, você, como lojista virtual, tem que ficar atento à estrutura do seu e-commerce. Questões como a escolha da plataforma, do layout e do servidor são cruciais e influenciam diretamente na experiência de compra — e, consequentemente, na taxa de conversão de vendas. Por isso, fique bastante atento a essa questão!

Existem inúmeras plataformas e servidores para e-commerce disponíveis no mercado, o que acaba gerando muitas dúvidas sobre quais são as melhores opções, especialmente entre os iniciantes nesse ramo. Todas possuem vantagens e desvantagens e, dependendo de seu nicho de atuação, serão mais ou menos adequadas.

Porém, certos pontos não devem ser esquecidos e têm (sempre) que ser levados em consideração na hora da escolha do servidor e da plataforma de sua loja virtual. Confira abaixo quais são eles.

Servidor


O servidor é o serviço de hospedagem que você vai contratar para a sua loja. É importante que ele seja confiável e não faça você perder dinheiro. Por isso, fique de olho nessas questões:

  • Garantia de funcionamento: dada em porcentagem, é a quantidade de tempo que o servidor garante que ficará em funcionamento durante o mês, sem cair. Escolha sempre os que oferecem, no mínimo, 99,5%.

  • Cloud ou físico: quando se trata de carrinho de compras e site, você tem essas duas opções. Servidores em nuvem são pagos por hora de utilização, e a escala pode ser aumentada ou diminuída conforme sua necessidade. Já os físicos são mais poderosos (e caros), e permitem que você processe informações de cartões internamente.

  • Backups: são imprescindíveis para lojas virtuais! De preferência, escolha um servidor que já oferece esse serviço como padrão. E sempre lembre de testar seus backups com frequência, viu?

  • Suporte: prefira os servidores que oferecem suporte 24 horas, 7 dias por semana. Você nunca sabe quando surgirá um momento complicado, não é?

  • Especialidade: existem servidores originalmente desenhados para a hospedagem exclusiva de determinada plataforma. Se a plataforma que você escolher tem um servidor específico, escolha esse.

Plataforma


Pode acreditar: a escolha certeira da plataforma para a sua loja virtual é meio caminho andado para o sucesso. Existe uma infinidade de opções no mercado, com os mais diferentes preços e ferramentas à disposição. A escolha depende bastante do seu nicho, pois dependendo de qual for, recursos adicionais serão necessários. Porém, de maneira geral, fique atento aos seguintes pontos antes de se decidir:

  • Formas de pagamento: como impactam diretamente no faturamento, quanto mais formas de pagamento a plataforma disponibilizar, melhor.

  • Formas de envio: integração com os Correios e a opção de frete grátis são as básicas.

  • Possibilidade de personalização do layout: você tem que ter a possibilidade de deixar o ambiente da sua loja virtual o mais atrativo possível para o seu público. Certas plataformas disponibilizam milhares de temas para pagos para a personalização dos sites.

  • Possibilidade de inserir códigos HTML e Java Script de maneira autônoma.

  • Ferramentas de marketing e publicidade: cadastro de e-mails, e-mail marketing, cupons de desconto, parcelamento sem juros, etc.

  • Personalização de cadastro de produto: possibilidade de inserir manuais em PDF, fotos e vídeos.

  • Otimização de SEO.

  • Versão mobile: essa opção também é essencial! Grande parte dos usuários vai acessar a sua loja via celular. Dessa forma, seu site tem que ser responsivo para proporcionar uma boa experiência.

  • Possibilidade de integração com ferramentas externas: sistemas de gestão ERP e emissor de Notas Fiscais, por exemplo. Facilitam a sua vida e a dos seus usuários.

  • Integração com os principais marketplaces: mesmo que não seja seu objetivo inicial, é sempre bom poder contar com essa alternativa.

  • Certificado de segurança SSL.

  • Estabilidade superior a 99,5%.

  • Suporte e atendimento 24 horas por dia, 7 dias por semana.

  • Atualizações constantes: fique atento a isso! Verifique se a plataforma é constantemente melhorada e aperfeiçoada ou se ela está parada no tempo!

  • Possibilidade de migração para outra plataforma: suas necessidades vão mudar ao longo do tempo, e pode ser que você se veja obrigado a migrar de plataforma. Escolha uma que facilite esse processo.

5. Otimização do site: SEO e a experiência do usuário


Segundo dados da Hitwise Brazil, o Google possui mais de 95% de participação nas buscas orgânicas feitas no Brasil. E dentro do universo dos e-commerces, a mesma pesquisa concluiu que 35% do tráfego das lojas virtuais é proveniente de mecanismos de buscas. Ou seja, se você deseja ter um e-commerce de sucesso, é impossível ignorar esses dados, não é mesmo?

Por isso, para que seu site possa ser bem ranqueado pelos robôs das ferramentas de busca, ficando entre os primeiros resultados da lista, é essencial investir na otimização do site, utilizando estratégias de SEO e melhorando continuamente a experiência do usuáriodentro da sua loja virtual. Para fazer isso com excelência, fique atento a esses itens:

Título


O título é a peça chave da estratégia de SEO. Sempre busque um título que descreva, em poucas palavras, o conteúdo primordial da sua loja e que seja totalmente condizente com o conteúdo apresentado no site. O ideal é que ele tenha, no máximo, 63 caracteres, para que apareça sem cortes. O nome da marca pode vir antes ou depois do título, dependendo do seu nicho de atuação.

Meta-description


A meta-description nada mais é do que uma informação concisa (no máximo 150 caracteres) que informa o usuário, ainda na página de busca, sobre o conteúdo da publicação ou da página. Dessa maneira, a pessoa já tem uma noção mais precisa, o que influencia na sua decisão de clicar ou não no link. Para ser eficiente, a meta-description tem que informar e, ao mesmo tempo, instigar a curiosidade do usuário.

URLs amigáveis


São aquelas que, ao serem lidas, informam sobre o conteúdo publicado. Os mecanismos de busca entendem URLs amigáveis como uma característica benéfica, e o ranqueamento tende a ser favorecido com isso.

Linkagem interna


Quanto mais referências a outros produtos e artigos da sua loja você fizer em determinado conteúdo, maior relevância a página terá para os mecanismos de busca, o que ajuda a melhorar o seu posicionamento. De quebra, por meio dessa estratégia, é possível estimular o cliente a passar mais tempo dentro do seu site, “pulando” de um conteúdo ou produto a outro por meio dos links.

Qualidade do conteúdo


Não basta seguir todas as estratégias descritas acima se o conteúdo do seu site não for de qualidade. Fique atento a detalhes que melhoram a experiência do usuário e, consequentemente, o ranqueamento da página nos motores de busca.

Evite copiar e colar descrições de fabricantes de determinado produto diretamente do site da empresa. Os robôs costumam punir sites com conteúdos duplicados. Reescreva o conteúdo com suas palavras, de maneira informativa e clara.

Da mesma forma, utilize recursos visuais, como fotos e vídeos, faça comparações entre produtos, redija guias de compras e artigos relevantes para os seus consumidores.

Outra estratégia de SEO que auxilia bastante o ranqueamento da sua loja é pedir reviews e comentários dos usuários após a experiência de compra. Quanto mais reviews a página ou o produto tiver, melhor será o posicionamento nos mecanismos de busca.

6. Diferenciação do produto vendido


Por mais que você escolha um nicho bastante específico para atuar no mercado de e-commerce, é praticamente impossível que você não tenha absolutamente nenhuma concorrência. Em função disso, é bastante válido buscar maneiras de diferenciar o seu produto ou a sua marca, de forma a atrair os clientes para a sua loja virtual.

Para isso, pergunte-se: como é possível inovar dentro da proposta desse produto ou serviço? O que as concorrentes não oferecem e eu posso oferecer? É importante que fique claro que, para se diferenciar, não é necessário que você insira, no mercado, algo totalmente inédito — isso acontece em raras ocasiões, inclusive.

Seus esforços têm que se concentrar em criar alternativas mais atraentes dentro do que já existe. Isso pode ser feito até mesmo na sua maneira de se relacionar com o cliente, proporcionando uma experiência de compra diferenciada ou oferecendo conteúdos e descontos exclusivos.

Bote a imaginação para funcionar e diferencie o seu negócio dos demais! Dessa maneira, você vai criar autoridade no mercado e aumentar o potencial competitivo e a sustentabilidade do seu negócio no médio e no longo prazo.

7. A logística de um e-commerce de sucesso


Uma das maiores reclamações de consumidores que costumam comprar produtos de lojas virtuais refere-se aos atrasos na entrega dos produtos e à burocracia referente às reclamações e aos cancelamentos. Em função disso, é imprescindível montar uma base logística eficiente para o seu e-commerce, aumentando, assim, a satisfação dos seus clientes.

Dependendo das formas de envio disponibilizadas no seu site, o prazo de entrega dos produtos varia imensamente. Jamais prometa a entrega em um prazo que você não tem certeza se será capaz de cumprir! E leve sempre em consideração que, em datas comemorativas como o Natal, por exemplo, os Correios e as demais empresas de entrega costumam estar sobrecarregadas, o que pode atrasar o recebimento dos produtos.

Além disso, mantenha um canal de comunicação eficiente e transparente com sua clientela. E-mails confirmando a saída do produto para entrega ou eventuais contratempos no transporte são muito bem vistos pelos clientes.

Do mesmo modo, facilitar a vida dos clientes que desistiram da compra, independentemente dos motivos apresentados, é uma maneira de fidelizá-los, mesmo que isso pareça contraditório. Como muitas lojas virtuais dificultam esse processo, ele se lembrará de como foi tratado por sua empresa e voltará assim que sentir necessidade de comprar os produtos que você oferece.

Ao montar um sistema logístico eficiente de entrega de produtos e reposição de estoque da sua loja virtual, a visibilidade e a boa imagem da sua empresa estarão garantidas. Por isso, fique bastante atento a essa questão!

8. Escolhendo bons parceiros e fornecedores


Como citamos no item anterior, uma boa estrutura logística é imprescindível para o sucesso da sua loja virtual. Porém, apesar de todas as falhas e reclamações referentes a esse assunto serem responsabilidade sua, elas podem não ter nada a ver com erros seus!

A má escolha de parceiros e fornecedores diretamente envolvidos nos processos da sua loja virtual pode gerar muitas dores de cabeça, já que você é o responsável por responder pelas falhas deles caso haja alguma reclamação. Por isso, trate de selecionar muito bem seus parceiros e fornecedores, viu?

Fornecedores que entregam dentro do prazo e que possuem um catálogo sempre atualizado, com todos os produtos disponíveis para a reposição do seu estoque, assim como empresas de transporte que não atrasam os pedidos e que entregam os produtos intactos e em bom estado, são peças chave quando o assunto é demonstrar profissionalismo e seriedade aos seus clientes.

Além disso, boas parcerias costumam gerar vantagens em relação à negociação de prazos de pagamentos, descontos e muitos outros benefícios para todos os interessados. Invista em parceiros e fornecedores sérios e de confiança, e colha os frutos antes do que imagina!

9. Estratégias para fidelização de clientes


Todos os grandes “gurus” do mercado de e-commerce são categóricos ao afirmar: é muito mais vantajoso e barato para a empresa investir na fidelização de clientes do que na prospecção de novos. Clientes fiéis, além de sempre comprarem de você, ainda indicam a sua marca para amigos e parentes.

É o poderoso marketing boca a boca, que além de não gerar custo algum ao seu negócio, ainda traz pessoas muito mais propensas à compra à sua loja. Ou vai dizer que você não confia na opinião de seu melhor amigo quando ele indica algum produto ou serviço?

Por isso, invista pesado em estratégias de fidelização dos seus clientes. Isso pode ser feito de diversas maneiras, e quanto mais estratégias você utilizar em conjunto, melhor. Desde a preocupação em proporcionar uma boa experiência ao usuário, com um site responsivo, agradável ao olhar e sem demasiadas interrupções e redirecionamentos durante o processo de compra, até a manutenção de um bom relacionamento pós-venda, com o envio de artigos de interesse para a pessoa e ações eficientes de e-mail marketing, podem ajudar imensamente na fidelização.

Do mesmo modo, criar clubes de assinaturas ou de vantagens, como o acúmulo de pontos em um cartão fidelidade — que podem ser trocados por produtos da loja — ou listas VIP — que oferecem descontos exclusivos para os seus melhores clientes — são estratégias eficientes para fidelizar os consumidores. Porém, lembre-se que os descontos e as premiações têm que possuir um valor real para as pessoas, ok? Esqueça a história de que dar chaveiros ou bonés com o logo da empresa vai fazer seus clientes voltarem. Ninguém mais cai nessa!

10. Use o marketing digital a seu favor


Apesar de o mercado de e-commerce no Brasil ainda estar em plena expansão, com muitos nichos a serem abertos, a realidade é que a concorrência no setor aumentou consideravelmente nos últimos anos. Associado à competitividade mais acirrada, temos também um consumidor mais exigente e atento, que sempre pesquisa e busca as melhores referências de compra.

Em função disso, para que você possa se sobressair nesse mercado, é necessário criar e planejar estratégias eficazes, que façam com que sua marca seja alavancada e conquiste, a cada dia, mais clientes. Como fazer isso? Sem dúvida, a melhor opção é utilizar omarketing digital a seu favor.

É essencial que a sua loja virtual tenha um planejamento de marketing digital bem estruturado e eficiente, e existem muitas estratégias para lograr esse objetivo: investimento em marketing de conteúdo — por meio da criação de um blog e da publicação de artigos relevantes para os clientes —, de campanhas de e-mail marketing, da presença consistente nas redes sociais, da criação de programas de fidelidade, entre muitos outras.

Por meio dessas ações, sua loja passará a ser vista como uma autoridade no ramo, ficando na memória das pessoas. Além disso, ao estreitar seus laços com clientes e potenciais clientes, você cria uma relação de confiança sólida, atraindo e convertendo leads — e, mais do que isso, fidelizando de vez as pessoas que já compraram no seu site.

Conclusão


Ao contrário de outros países, o setor de e-commerces no Brasil ainda possui grandes possibilidades de expansão e crescimento, com diversos nichos a serem desbravados e muitos outros com baixa concorrência. Ou seja: as chances de sucesso para quem deseja empreender nesse ramo são muitas!

Porém, como você viu ao longo deste post, para ter sucesso nessa área é necessário atuar com bastante seriedade e profissionalismo, enxergando a loja virtual como ela é verdadeiramente: uma empresa. E como toda empresa, para que ela cresça e se consolide no mercado, boas doses de planejamento e investimentos em logística, estrutura, marketing e fidelização são essenciais.

Por isso, se você deseja ter um e-commerce de sucesso, fique atento às dicas descritas neste artigo, colocando-as em prática, uma a uma. Acredite: você colherá os frutos dessas ações muito antes do que imagina!

Gostou deste post? Acha que ele foi interessante para você? Então curta a nossa página no Facebook e tenha acesso a conteúdos relevantes diariamente!

cta2

9 dicas para melhorar a gestão de estoque em sua loja virtual


Post-blog-9 dicas para melhorar a gestão de estoque em sua loja virtual

Especialistas em varejo dizem que o estoque é o verdadeiro coração de uma loja virtual. É ali que tudo acontece: o produto que foi adquirido pelo cliente é separado, embalado e enviado. O fato é que a gestão do estoque dita o ritmo do e-commerce, além de ser o ponto de contato físico com o consumidor.

A expectativa de receber o produto adquirido sempre toma conta tanto de quem compra quanto do lojista, pois quem paga espera receber sua mercadoria no prazo, do jeito que pediu, e o lojista deseja que seu cliente fique satisfeito.

Tendo em vista a importância dessa área para o seu negócio, é necessário adotar atitudes que melhorem a forma como a gestão de estoque acontece na sua loja virtual. Confira agora 9 dicas que vão te ajudar:

1. Verifique se o seu modelo de estoque é o adequado


Existem diversos modelos de estoque para que você possa optar pelo mais adequado ao seu e-commerce. O modelo próprio possui um espaço físico para armazenar os produtos e repor o estoque de acordo com a demanda da loja virtual. O modelo compartilhado, possui um único estoque, que está disponível tanto para o seu e-commerce quanto para a sua loja física.

O modelo descentralizado faz com que os centros de estoque e distribuição estejam espalhados por regiões estratégias do país, proporcionando uma maior proximidade com o consumidor. Existe também o modelo terceirizado, que é gerenciado diretamente pelo fornecedor. Nele, é o fornecedor que define a quantidade de produtos que estará disponível para venda no seu e-commerce.

Temos também o estoque consignado, modelo em que fornecedor e lojista fecham um acordo, que determina um prazo para que os produtos possam ser vendidos. No final desse prazo, o fornecedor retira os produtos. Por fim, temos o drop shipping. Esse modelo de gestão de estoque deixa a entrega dos produtos diretamente nas mãos do fornecedor, que geralmente encontra-se no exterior.

2. Faça um planejamento e defina os seus objetivos


A base de uma boa gestão parte de objetivos definidos com clareza. Todas as metas devem ser planejadas juntamente com a estratégia para alcançá-las. Somente dessa forma é possível fazer com que todos os colaboradores trabalhem como um time — pois, sem diretrizes claras, as pessoas tendem a cometer mais erros.

3. Avalie a sua operação e logística


A logística também faz parte da gestão de estoque, afinal, não basta apenas vender — tem que entregar. Se você ainda não iniciou as vendas do seu e-commerce, esse é um momento excelente para fazer a avaliação da operação e logística. Esse processo pode se dar por meio de terceirização, em que um especialista vai permitir que o foco da gestão seja nas vendas.

4. Adote o marketing até na gestão de estoque


As estratégias de marketing ajudam a sua marca a se tornar conhecida entre o público, além de estabelecer laços de confiança por meio de um relacionamento duradouro. Dessa forma, você pensa: como o marketing pode me ajudar na gestão de estoque? Simples: adote estratégias como divulgar a sua marca na embalagem, cumprir com os prazos combinados, enviar brindes ou até mesmo fazer campanhas que reduzam o valor do frete.

5. Esteja sempre próximo ao seu consumidor


O conceito de proximidade é relativo. No caso da gestão de estoque, a proximidade física pode facilitar a sua relação com o consumidor — além da gestão em si. Isso pode soar como utopia, afinal, nem todo lojista possui condições de estar próximo ao consumidor dessa forma. A boa notícia é que há outra maneira, que se dá pela escolha dos parceiros certos para cada tipo de entrega. Enquanto nas capitais os motoboys e as empresas privadas realizam entregas rapidamente, quem ainda domina a vastidão do interior brasileiro é a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

6. Escolha bem os seus fornecedores


A escolha dos fornecedores é outro fator importante que você deve considerar na hora de melhorar a gestão de estoque na sua loja virtual. Preços de frete que sejam muito altos tendem a afastar o consumidor, que acaba não comprando — encalhando todo o estoque previsto para vender.

Antes de fechar contratos de longa duração, faça exaustivos testes com os seus fornecedores. É importante também que você tenha sempre mais de uma opção para realizar a entrega dos produtos, pois dependendo da localização do seu consumidor, um pode se tornar mais vantajoso financeiramente que o outro.

7. Priorize sempre a organização acima de tudo


Além das diretrizes da área, a boa gestão de estoque na sua loja virtual deve priorizar a organização no espaço físico e também nos processos que fazem parte da rotina.

É importante que os produtos sejam categorizados assim que entrarem no estoque — e acomodados em um local adequado. Produtos que possuem maior saída devem ficar sempre na frente, para facilitar a retirada durante o despache. Você também pode segmentar o estoque por setores, tornando mais fácil a identificação dos produtos e a produtividade da equipe, que ganha ritmo.

8. Reduza o volume do seu estoque com promoções


Ficar com excesso de produtos por muito tempo no estoque gera um alto custo para o seu negócio. Faça, periodicamente, um levantamento dos produtos que estão parados há muito tempo e planeje dar vazão a eles. Por meio de uma promoção, é possível se livrar do estoque e recuperar, pelo menos, o valor investido na aquisição dessas mercadorias.

9. Invista em um software para ajudar a gerir o estoque


O bom gerenciamento do estoque jamais será alcançado se toda a operação for manual. Para um gerenciamento otimizado e eficiente, conte com a ajuda de um software de gestão.

Suas diversas funcionalidades facilitam o controle do estoque, indicando a quantidade produtos, controlando a entrada e a saída de itens, indicando reposição e fazendo a integração com as demais áreas da empresa — compras, contabilidade e financeiro. Além das tarefas diárias, o software de gestão de estoque ajuda nos trâmites administrativos.

Ficou interessado pelo tema do post e quer saber um pouco mais? Entre em contato conosco e fique por dentro das soluções para o comércio eletrônico.

ctavermelho


Saiba como gerir sozinho sua loja virtual


Post-blog-como gerar sozinho sua loja virtual


Integração com ferramenta: diferencial para gerir sua própria loja virtual


Você já pensou em montar uma loja virtual por conta própria e desistiu ao achar que não conseguiria? Por incrível que pareça, essa tarefa pode ser mais fácil do que imagina. O segredo para o sucesso é conhecer a fundo as ferramentas disponíveis e saber onde você quer chegar. A vontade de atingir grandes resultados deve estar aliada a um bom entendimento do mercado e das possibilidades que existem dentro do universo do e-commerce.

No mundo dos negócios, cresce cada vez mais o número de empreendedores digitais. Contudo, para que servem as boas ideias se não forem bem aplicadas e conseguirem se sustentar? O primeiro passo para gerir sua loja virtual sozinho é organizar um bom projeto de e-commerce. Entre os pontos primordiais para o começo da sua gestão estão entender o que a sua marca pretende, compreender quais são os principais cuidados que se deve ter ao construir uma empresa no mercado digital e, principalmente, saber qual plataforma utilizar.

Plataforma


A plataforma escolhida para o seu negócio pode ser considerada como fator determinante na garantia de bons resultados: uma escolha bem feita rende boas economias no futuro.

Existem diversas opções de plataformas com variados recursos. O principal é que ela atenda as necessidades da marca, seja funcional e de fácil usabilidade. Outra questão importante é conhecer as limitações de cada tecnologia e saber até que ponto atenderá suas expectativas a curto, médio e longo prazo. Na hora de optar, responda a si mesmo questões como: o módulo de gerenciamento é fácil de utilizar? A parte visual atende ao meu plano de comunicação e é aderente à identidade do meu negócio? Possui integração com meios de pagamento, atendimento, segurança das informações e banco de dados? Possui estrutura para implementação de um bom processo de SEO? O sistema é responsivo? O que os relatórios oferecem?

Recursos para melhorar o seu negócio


Diversos recursos são utilizados para o desenvolvimento de uma loja virtual. Basta entender o que cada um deles pode oferecer para concretizar o potencial de venda da sua empresa. Confira a funcionalidade de diversas opções.

O visual da sua loja


Conhece aquela expressão: a primeira impressão é a que fica? Para conquistar os clientes é preciso começar com o pé direito e construir uma bela identidade visual para a sua empresa. Afinal, o design da sua marca é a primeira imagem que chega ao consumidor. Defina as cores, a tipografia e elementos que deixem uma boa impressão. Algumas plataformas disponibilizam layouts já prontos, adaptáveis às características da sua marca. Além disso, existem aquelas que oferecem liberdade na edição de arquivos do visual da loja, como estilos de formatação CSS, imagens e até mesmo scripts avançados de interação.

Produtos


Não tem quem não goste de dar aquela conferida em todos os ângulos da roupa ou conhecer de perto os botões da câmera. Para isso, as lojas virtuais utilizam diversas ferramentas que atraem os clientes. Uma das principais é a vitrine da sua loja. A exposição dos produtos facilita a escolha dos clientes ao mostrar como realmente são, em todas suas variações de tamanhos, cores e estilos.

O recurso de zoom explora os mais diversos detalhes do que está sendo oferecido. Outra opção é a criação de campos para a descrição do produto, pois as informações podem ser usadas depois para organizar seu catálogo ou apresentá-lo para o cliente.

Promoções e descontos


Hoje em dia, o recurso de desconto conquista qualquer um. Para movimentar o negócio e criar afinidade com o cliente, existem opções de campanhas diferenciadas com promoções, lançamentos e descontos. A ferramenta Hotsite, por exemplo, agrada o comprador e estimula a compra. Além dela, você pode criar laços com os clientes ao associar descontos que vão ficando cada vez melhores conforme o cliente compra mais de determinado produto, marca ou seção.

Os cupons também vieram com tudo e podem ser direcionados para aumentar a sua taxa de conversão. Impulsione os seus clientes também por meio de compras coletivas, kits de produtos e acione o programa de pontos, o cliente que acumular determinados pontos pode trocar pelo produto que desejar.

Agora, se você não pretende realizar promoções ou descontos, use outra ferramenta para chamar clientes, como o recurso de campanha de frete por localidade, dando o frete de graça para os clientes das regiões mais próximas do seu centro de distribuição.

Estoques


Ninguém quer perder clientes por falta de estoque! Os Backorders estão aí para salvá-lo de qualquer aperto. Eles permitem a venda de produtos mesmo sem ter estoque disponível, porém com um prazo maior de entrega.

Otimize as pesquisas


Não faça seu cliente perder muito tempo e otimize seu trabalho. As melhores opções a serem aplicadas são a técnica fonética, que se aproxima da palavra que o cliente pretende buscar, a de sugestões instantâneas e aquela através de filtros. Além disso, um bom gerenciamento do carrinho de busca pode gerar uma boa experiência e deixar a pessoa segura de sua compra.

Processos de SEO e domínio da marca


O SEO é um processo de otimização do site para que as pessoas o encontrem com mais facilidade quando realizarem pesquisas. Esse recurso pode deixar seu negócio mais conhecido e aumentar as estatísticas de venda. Prepare sua loja para processos de SEO por meio de URLs amigáveis, cadastro de Meta tags: keywords e description, texto alternativo para imagens, entre outras opções. Um domínio próprio também pode ser adicionado no processo de SEO. Ele deve deixar claro qual é o seu tipo de negócio, sendo de grande valia para os clientes encontrarem sua marca e também para os buscadores.

Versão mobile e redes sociais


Tornar o seu negócio responsivo e adaptar a navegação para versões móveis pode alavancar as suas vendas. A tendência é de crescimento nas compras online via dispositivos móveis. Segundo o relatório da E-bit de 2015, no segundo semestre de 2014, a maioria dos consumidores online (65%) comprou por smartphones e 35% por tablets. Conquiste seus clientes com vitrines e banners especiais para o mobile.

Além disso, use os seus clientes a seu favor. Disponibilize recursos interativos a eles e ganhe grandes divulgadores da sua marca, permitindo que tenham acesso às suas redes sociais.

Geração de relatórios


Ao final do mês existe toda aquela expectativa com relação aos resultados obtidos pelo negócio e no comércio eletrônico não é diferente! A mensuração de todo o trabalho desenvolvido está dentro dos relatórios. Eles devem ser bem completos, contendo informações, dados, estatísticas, como: quantidade de pedidos e acessos por período (dia, mês, ano), cadastro dos clientes, estoque, produtos com estoque baixo, entre outros fatores.

Portanto, a integração com uma ferramenta ou plataforma é fundamental para que você consiga gerir o seu e-commerce. Converse com a EZ Commerce e conheça nossas soluções.


cta