Entenda como o comércio digital pode mudar seu negócio


Post-blog-entenda como o comércio digital pode mudar seu negócio


Os números do varejo tradicional estão negativos. Pesquisa em torno do Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio, por exemplo, mostram que as vendas caíram 1,2% em julho sobre junho e 7,1% em relação ao mesmo mês de 2015. Esse é o pior resultado desde o ano 2000, quando foi iniciado o estudo.

Mas estagnação do setor não parece ter chegado ao varejo online, que tem projeção de crescimento de 18% para 2016, podendo elevar o faturamento do segmento para a faixa dos R$ 56 bilhões, segundo a ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico). E os números das primeiras datas especiais do ano, mostram que previsão tem tudo para se realizar: as vendas online cresceram 8% no Dia das Mães, 12% no Dia dos Pais e 16% no Dia dos Namorados.

E-commerce no Brasil


O e-commerce está em franca expansão no Brasil. De acordo com o e-Maketer, o Brasil tem o 10º maior e-Mercado do mundo. Em 2015 foram 106,5 milhões de clientes, 190,9 milhões de transações e faturamento de R$ 41,3 bilhões.

E, como dissemos anteriormente, para 2016 os números estão na contramão da crise. O País já conta com mais de 450 mil lojas online, que respondem por cerca de 3% das vendas totais do varejo (e especialistas indicam que esse volume deve chegar a 10% nos próximos 5 anos).

Outro bom indicador é o crescimento das compras em sites do Brasil. Se até pouco tempo o e-commerce brasileiro girava em torno de transações internacionais, hoje 51% das e-vendas são feitas dentro do País.

Principais e-segmentos


Uma pesquisa divulgada em 2015 pelo PayPal mostra que a categoria de produtos mais consumida pelos e-consumidores brasileiros é a de roupas, calçados e acessórios. Ao todo, o segmento atraiu 61% dos compradores online, seguido de equipamentos eletrônicos (57%) e entretenimento (52%). Para 2016, a expectativa da maior empresa de pagamento online do mundo é de crescimento dos segmentos de saúde, beleza e gêneros alimentícios.

E entre as principais tendências do e-commerce para 2016 está o crescimento do mobile. A expectativa é que as compras via aparelhos portáteis subam dos atuais 20% para 30% do total de pedidos até o final do ano. A comodidade de comprar em qualquer lugar, sem necessitar abrir um computador está atraindo cada vez mais consumidores, com destaque para as mulheres que representam 57% desse público.

Este crescimento está diretamente relacionado ao aumento da velocidade nas conexões, ao maior acesso à Internet e ao investimento dos e-varejistas em estratégias de sucesso, estudos estratégicos e operacionais de venda.

Primeiros passos para abrir um e-commerce


A informatização das tecnologias possibilitou um crescimento acelerado do e-commerce. Aderir o seu negócio ao comércio digital pode expandir os lucros, fortalecer a gestão da marca e criar tendências. Para ter êxito, entretanto, é importante começar por um elemento fundamental: o planejamento.

Os primeiros passos devem ser analisados tanto por aqueles que estão construindo um negócio novo quanto por aqueles que já têm uma loja física. Sendo assim, é interessante definir e conhecer o seu público alvo, sabendo que novos clientes em potencial podem surgir e abraçar o seu nicho de mercado; procurar diferenciais competitivos; definir o produto e/ou serviço, a disponibilidade online dos mesmos e a plataforma de e-commerce que será utilizada; construir uma estratégia de marketing e pensar nos aspectos logísticos do negócio, como e de que maneira serão feitas as cobranças e saber como lidar com eventuais problemas de segurança. É necessário compreender como funcionam as transações financeiras em plataformas eletrônicas, não podendo restringir as opções de pagamento apenas a boletos bancários ou cartões de crédito, pois quanto mais alternativas para o cliente, melhor.

O próximo passo é destinado aos novatos no mercado. Seu negócio precisa de uma marca. Para isso, você deve escolher um domínio de cadastro na internet. O segredo é escolher um nome de fácil compreensão, visualização e digitação, sem acentos, além de ter relação com o produto a ser comercializado. O site precisa funcionar de maneira simples para que o cliente tenha uma boa experiência, se sinta mais seguro e volte a acessar.

Para os lojistas experientes é importante pensar em adaptações da marca para a internet, como: ampliar a identidade visual sem mudar as cores e tipografias já utilizadas, pensar em novos colaboradores para o veículo online e explorar novas formas de relacionamento virtual com o cliente.

Futuro do e-Commerce


Se o objetivo é estar sempre um passo à frente da concorrência algumas questões devem ser levadas em consideração. O investimento em marketing digital, por exemplo, a otimizações de padrões para Search Engine Optimization (SEO) e as adaptações ao Comércio Eletrônico Móvel, o m-Commerce.

Os varejistas também devem explorar e investir nas redes socais. Elas assumiram o papel de boas “marqueteiras”, utilizadas como ferramenta de marketing viral e atendimento, tornando-se uma das áreas dentro do e-commerce a serem explorados pelas empresas. Servem para divulgação da marca e são aproveitadas pela facilidade de rastrear a origem dos pedidos. Funciona como outro canal de vendas que tem como objetivo atrair o tráfego de consumidores para a verdadeira plataforma. No entanto, cabe ao varejista analisar se é necessário e funcional para o seu negócio o uso do chamado S-commerce, lembrando sempre que os consumidores estão na internet, interagindo, e ainda que o seu negócio não tenha (ainda) uma presença virtual, certamente o seu público está nas redes, também.

O que fazer para atrair o público


São várias as formas de chamar a atenção do público, mas elas dependem do nicho de comércio escolhido. Se você possui uma loja de roupas é interessante oferecer ao comprador provadores virtuais e fotos de todos os ângulos dos produtos. Já para conquistar o cliente que pensa em comprar materiais de beleza e estética, o caminho pode ser por meio de um vídeo de como usar determinado produtos. Tornar fácil o acesso ao site e aos dados dos produtos também determina a volta do cliente à página do seu negócio.

Os meios para ingressar no mundo online e no comércio digital são de fácil acesso e podem melhorar os negócios da sua empresa, transformar sua loja e lançar no mercado novos empreendimentos. Está decidido a migrar para o comércio eletrônico? Não tenha medo de investir e entrar de cabeça no seu sonho. Ficou com alguma dúvida? Consulte a EZ Commerce!