Primeiros passos para montar uma loja virtual

Web

O processo de criação de um e-commerce envolve diversas etapas importante que precisam ser bem planejadas. Além disso, para quem quer entrar no mundo das vendas pela internet, a busca por informação sobre como montar uma loja virtual é essencial. Esse artigo pontua os tópicos mais relevantes com os primeiros passos para abertura de uma operação de e-commerce.

1. Tenha um Plano de Negócios

O plano de negócios é uma das ferramentas mais indicadas por especialistas para auxiliar no direcionamento e planejamento das etapas de um empreendimento. Um plano bem detalhado deve incluir uma boa análise de mercado e concorrência, estratégia de vendas e pós-vendas, logística, critérios de precificação e divulgação e, claro, todos os aspectos técnicos envolvidos nessa empreitada. A grande vantagem em ter um plano de negócios bem definido é a capacidade de identificar possíveis riscos e problemas antes de sua loja entrar no ar, o que tornará possíveis mudanças mais baratas e eficientes.

No momento do planejamento da sua loja virtual, é recomendável que o lojista leia com bastante atenção o Decreto Federal 7.962/13 para não descuidar das regras definidas para todas as lojas virtuais e assim, evitar problemas jurídicos no futuro. Para facilitar, enumeramos alguns dos principais pontos:

• Informar dados da empresa – O lojista é obrigado a informar no rodapé das páginas as seguintes informações da loja vista: CNPJ/CPF, endereço, nome da empresa (ou do vendedor).
• Discriminar despesas adicionais, como frete e seguro – É obrigatório que o lojista discrimine todas as despesas embutidas na compra: como frete e seguro.
• Atendimento ao consumidor – todo lojista deve oferecer pelo menos um canal de atendimento para os clientes.
• Direito de arrependimento em 7 dias – o consumidor pode trocar o produto até 7 dias depois de fazer a compra; sem qualquer restrição por parte do lojista.
• Troca de produtos com defeito – a mesma regra vale para clientes que compraram um produto com defeito. Se o produto for um bem não durável, o prazo para troca é de 30 dias. Se for um bem durável, é de 90 dias.
(Link para o decreto na íntegra aqui) http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/decreto/d7962.htm

2. Defina um Preço Competitivo

Antes de definir o preço de cada produto faça um estudo considerando aspectos como custos, concorrência, possíveis danos que gerem trocas ou extravios, manutenção da loja e lucro pretendido. Lembre-se que preços atrativos devem ser o principal diferencial para vendas pela internet, pois muitos consumidores ainda preferem se deslocar até uma loja física para comprar. Então, certifique-se que seu preço cubra todos os custos, gere um lucro interessante e seja competitivo.

3. Contrate uma plataforma eficiente

A escolha da plataforma é importante pois ela é a base da sua loja: tudo que você construir estará apoiado nela e, por isso, é essencial escolher uma de qualidade e que seja flexível – podendo ser alterada para suas necessidades e preferências. O ideal é contratar uma plataforma que te ofereça facilidade de gerenciamento de backend, integração com ERP, principais marketplaces, que possua atualizações constantes, uma equipe qualificada de suporte, e, claro, robustez suficiente para suportar o crescimento natural do seu negócio.

4. Desenvolva um layout intuitivo

Dê atenção especial na escolha do layout de sua loja virtual. Ainda mais importante que a beleza, o layout deve ser funcional e passar ao cliente uma sensação de segurança no momento da compra. Caso você tenha um e-commerce legal, com um design incrível, mas a busca pelos produtos não seja eficiente e o processo de compra for complicado, o risco de o consumidor abandonar o carrinho será maior.

5. Capriche no Cadastro de Produtos

Enquanto na loja física o cliente tem a possibilidade de ver e sentir o produto que vai comprar, na loja virtual isso (ainda) é impossível. Isso gera um distanciamento quase que natural entre cliente e produto, que pode ser superado através da apresentação dos seus produtos. Utilizar nomes comerciais no lugar dos nomes técnicos, aliado a uma categorização de produtos bem planejada é fundamental para a organização interna e para a otimização dos mecanismos de busca internos e externos.

Descrever bem as características dos produtos, fornecendo algumas dicas para utilização e disponibilizar a avaliação do produto por outros clientes (com espaço para opinião dos mesmos) e disponibilizar fotos de qualidade e vídeos são outras maneiras de melhorar a experiência do cliente em sua loja virtual.

6. Contrate formas de pagamento e invista em segurança

Receber os valores referentes às vendas é, obviamente, fundamental para manter sua loja virtual operando de forma saudável. Por isso essa é uma escolha que exige muita atenção e pesquisa, para que você consiga encontrar um formato que auxilie sua operação e negocie as melhores taxas. Existem três maneiras de você receber pagamentos online:

  • Intermediadores de pagamentos – É a solução mais simples, tanto do ponto de vista técnico quanto de negócios, possibilita ao lojista que o mesmo efetue adiantamento de recebíveis, além de já possuir antifraude. Os intermediadores costumam cobrar uma taxa fixa por transação, mais uma variável sobre o valor da venda.
  • Gateways de pagamento – os gateways oferecem soluções mais robustas de pagamentos e garantem conexões mais estáveis com as redes de adquirência (como Cielo e Redecard). Diferentemente dos intermediadores, cobram apenas uma taxa fixa por transação – o que torna a solução mais barata. Entretanto, o lojista precisará contratar à parte o serviço de antifraude e lidará diretamente com a adquirente na negociação por adiantamento de recebíveis e taxas.
  • Integração direta com a adquirente – Essa é a opção para lojistas mais experientes com equipes dedicadas de desenvolvimento e que entendam de segurança. Assim como com o gateway de pagamento, você tem contato direto com o adquirente e pode negociar taxas livremente.
  • Caso você aceite transações diretamente na sua página, é obrigatória a utilização de ferramentas de proteção de dados na sua loja virtual, para garantir a proteção dos dados de compra e demais informações cadastrais dos clientes (como endereço completo, número de cartão de crédito, etc).

    Web

    7. Contrate um antifraude

    Diferente do mundo físico, em que a rede de adquirência se responsabiliza pelo pagamento das fraudes, a responsabilidade pelo pagamento da fraude em lojas virtuais é do lojista.

    Por isso, sempre que você for pensar em como receber pagamentos pela Internet, precisará pensar, também, em qual empresa/método de detecção de antifraude irá usar, para não correr o risco de enviar o produto e dias depois ver o pagamento via cartão sendo desfeito, ficando sem o produto e sem o dinheiro.

    8. Tenha uma política de frete

    A entrega em uma loja virtual é extremamente relevante para o sucesso da mesma. Caso o cliente tenha uma experiência ruim nesta etapa ele pode perder a confiabilidade na sua loja virtual e provavelmente não voltará a comprar. Por causa disso, é ideal dedicar tempo de planejamento para definir uma boa política de fretes e escolher as melhores formas de entrega para sua loja.

    Existem, de maneira resumida, duas maneiras de realizar a entrega:

  • Correios – É o meio mais simples de começar a realizar suas entregas. Há, entretanto, um limite de 30kg por envio e de dimensões, além do risco de ser prejudicado por greves e outras paralisações.
  • Transportadoras – São mais estáveis que os Correios, pois o risco de greves é muito menor, além disso, não há problemas com limitação de peso e tamanho. Entretanto, nem todas as transportadoras disponibilizam códigos de rastreio de mercadoria.
  • 9. Estruture uma operação de BackOffice adequada

    Depois de trazer as primeiras visitas e vendas, você vai precisar se preocupar com o suporte desses clientes, tanto no atendimento durante o processo de compra, quanto no pós-venda. Depois da “Lei do E-commerce” as todas as empresas que operam nesse mercado precisam oferecer suporte 24/7 para seus clientes, seja ele por e-mail, telefone, chat online, etc.

    Uma ferramenta de ERP conectada à sua plataforma de e-commerce para automatizar os controles internos de produtos, pedidos e pagamentos é fundamental para facilitar sua operação e reduzir os processos internos, fazendo com que o produto seja enviado ao cliente em menos tempo.

    10. Tenha uma boa estratégia de Marketing Online

    O simples fato de ter uma loja virtual funcionando, com ótimos produtos, um belo layout, selos de segurança e bons preços não são suficientes para garantir sucesso de vendas. A concorrência é enorme e para se destacar é preciso divulgar! Por isso, é importante você dedicar uma parte do seu tempo (e dinheiro) para captação de novos clientes para sua loja virtual.

    Divulgar produtos, oferecer conteúdo relevante, fazer promoções e, acima de tudo, estreitar os laços com os clientes já captados são boas maneiras de garantir as visitas e vendas na sua loja virtual, além da utilização de técnicas de Marketing virtual como Google Adwords e Email Marketing. Além disso, é fundamental estar presente nas redes sociais, interagindo com o público de forma mais direta e divulgando sua marca. Lembre-se de utilizar o potencial das redes de forma correta, alimentando seus perfis constantemente, respondendo a perguntas cordialmente, dando créditos à participação do público.

    É importante acompanhar de perto os resultados de sua estratégia de marketing online! Dados como número de pessoas que foram convertidas de um e-mail marketing à sua página, tráfego no site e posicionamento da sua loja nos Mecanismos de Busca são fundamentais para levantar os resultados de suas ações de marketing.

    por Leandro Webster
    Gerente de Projetos da EZ Commerce