Comprar e vender por mobile: 6 pontos de atenção

Web

Comprar e vender pelo smartphone ou tablet é uma tendência que parece ter vindo para ficar. Se por um lado a praticidade das plataformas mobile atraem os usuários, por outro há quem ainda fique com um pé atrás pela falta de usabilidade que ainda persiste na maioria dos sites.

Para as empresas, a saída é a adaptação. E não são necessárias grandes mudanças para perceber a diferença. De acordo com Henrique Mengue, CEO e cofundador da EZ Commerce, pequenos ajustes, como destacar botões, geraram aumento de 20% na taxa de conversão em uma experiência realizada pela empresa.

Comprar e vender na era mobile

Se a usabilidade é o principal segredo para as empresas que querem conquistar o público através do m-commerce, Mengue lista seis pontos decisivos que diferenciam o acesso pelo smartphone e que merecem a sua atenção:

1. Tamanho da tela: com o tamanho da interface reduzido, escolher quais informações mostrar e onde colocá-las faz toda a diferença para que o usuário possa encontrar o seu produto de maneira rápida. Ou seja, esqueça o desenho da sua página para o computador.

2. Conexão: a velocidade da conexão em plataformas mobile costuma ser um pouco lenta, e nada irrita mais o usuário do que esperar até que uma página carregue. Para não perder vendas por conta desse problema técnico, a dica é criar um m-commerce leve, que traga apenas o básico.

3. Toque na tela: esse é o movimento básico para todas as ações realizadas, então vale a pena apostar na precisão. Aqui, isso significa botões maiores, que não precisem de zoom em excesso serem selecionados.

4. Processo de compra: apesar do crescimento do uso do mobile, aumentar a taxa de conversão de acessos em vendas ainda é um desafio. A dica é oferecer ao consumidor um sistema em que os produtos sejam adquiridos com poucos cliques.

5. Adaptação: processos burocráticos, como formulários de cadastro do processo de compra, por exemplo, também precisam ser reduzidos apenas para as informações mais básicas. Aqui uma boa dica é o cadastro parcial, no qual, para a compra, são solicitados poucos dados, mas depois o sistema envia um e-mail convidando o consumidor a preencher o restante – pelo computador, se preferir.

6. Segurança: um aparelho mobile geralmente está conectado a uma rede pública, que nem sempre oferece tanta segurança. Para ganhar a confiança do público, é importante que o seu m-commerce destaque o compromisso que possui em oferecer certificados digitais e boas práticas de segurança de dados.

Por que ser mobile friendly

Para Mengue, hoje em dia todo o e-commerce deveria contar com uma versão mobile friendly. Mais do que uma tendência, essa é uma realidade que deve se consolidar ainda mais nos próximos anos.

“Na EZ Commerce, de 20% a 30% dos acessos durante a semana, em média, são mobile. Esse número passa de 65% nos fins de semana. Chegamos a picos de 80%”, exemplifica o CEO da empresa.

Há quem já fale, inclusive, em uma nova geração de crianças e jovens que possuem toda a sua experiência digital através do mobile. Ou seja, possíveis consumidores que não vão chegar a criar vínculo com um computador tradicional, apenas com celulares.

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus seguidores nas redes sociais.

*Fonte: Destino Negócio